Força-tarefa contra mosquito da dengue teve participação de 200 pessoas

Os bairros Taboleiro, Monte Alegre e Conde Vila Verde receberam neste sábado, dia 24, uma grande mobilização contra o mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão de doenças como a dengue, a zika e a chikungunya. Cerca de 200 pessoas, entre servidores públicos e voluntários, percorreram todas as ruas dos bairros com maior incidência de foco do mosquito.

O objetivo foi repassar informações à comunidade sobre os cuidados necessários para evitar a proliferação do mosquito, assim como retirar de casas e ruas materiais que acumulam água e podem ser criadouros. As equipes encontram muitos problemas, como pneus ao ar livre e com água, caixas de água sem a devida proteção e piscinas sem manutenção adequada. “Em apenas um local, retiramos mais de 20 pneus”, comenta Fábio Murilo de Souza, supervisor de campo do Programa de Combate à Dengue.

Mas as visitas renderam também bons exemplos. É o caso de Antonio Orlei Gonçalves, morador da rua Monte Olivares. Na casa e na empresa que funciona anexa, os agentes verificaram o cuidado de Antonio em manter o espaço limpo e sem criadouros do mosquito. Além disso, a água para o cachorro é trocada todos os dias e o recipiente é lavado. “Recebemos muitas informações sobre os cuidados para evitar o mosquito da dengue. Mas não adianta apenas escutar e não dar atenção. Cada um deve fazer a sua parte”, defende o morador.

O secretário de Saúde, Ronnye Peterson Nasser dos Santos, explica que além dos materiais retirados neste sábado, a força-tarefa permitiu identificar locais que precisam ser vistoriados pela Vigilância Sanitária e receber atenção especial do Programa de Combate à Dengue. “Agradecemos a todos que participaram, ainda há muito o que se fazer para que consigamos diminuir os focos, mas tivemos um grande resultado nesta mobilização”, analisa ele.

Mesmo sem casos da doença, cuidado é necessário

Camboriú não tem registros de nenhum caso de dengue, zika, chikungunya e febre amarela, transmitidas pelo Aedes aegypti. Isso ocorre porque é preciso que o mosquito esteja infectado com um dos vírus para passar a doença. Porém, a situação é de alerta. As equipes já identificaram 162 focos do mosquito este ano no município.

“Nossa preocupação é que, se ocorrer uma contaminação e como temos encontrado muitos focos, ela poderá atingir muitas pessoas rapidamente”, esclarece o coordenador do Programa de Combate à Dengue, Maurício Costa.

Os pedidos para a comunidade incluem não deixar água acumulada em materiais como pneus, garrafas, calhas e lajes. “Limpem bem os vasos e pratinhos de plantas e cubram todo recipiente que armazena água, como as caixas d’água de suas residências”, recomenda o coordenador. “Só com a colaboração de todos poderemos diminuir o número de focos do mosquito em Camboriú”, finaliza.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com