Homem que estuprou, matou e jogou cadáver de adolescente em lixão no Ceará, é preso em Camboriú

A investigação da Polícia Civil de Iguatu – CE, em parceria com a Polícia Civil de Camboriú, resultou na prisão de um homem acusado de homicídio na cidade de Iguatu-CE. O crime aconteceu na noite do dia 26 de abril de 2013.

Assim, na quarta-feira, dia 01/08/2018, o delegado de polícia Raphael Gobbi, que atua naquele Estado, manteve contato com a Polícia Civil de Camboriú e solicitou apoio no cumprimento de um mandado deferida pelo juízo da 1ª Vara da Comarca de Iguatu/CE, vez que informações davam conta de que o investigado estava residindo no Monte Alegre, em Camboriú/SC.



No dia de ontem, o Setor de Investigação da Comarca de Camboriú apurou que Gildázio Severino de Lima, de 46 anos, residia no Monte Alegre há cerca de 4 (quatro) anos, entretanto, não foi possível identificar a residência do foragido.

Outras diligências foram realizadas no sentido de descobrir o paradeiro do criminoso, que, no final da tarde de ontem, finalmente, foi encontrado e preso numa empresa situada no Bairro dos Estados, em Balneário Camboriú.

Gildázio foi encaminhado ao Presídio da Canhaduba, onde permanecerá até que seja providenciado o traslado para Comarca de origem para que também seja submetido ao julgamento pelo Conselho de Sentença.

Entenda o Caso

Na noite noite de 26 de abril de 2013, no Bairro Vila Centenário, na cidade de Iguatu, Gildázio participava de uma festa em uma casa com o amigo Yaslan Moreira e com a namorada dele, a adolescente Keyla Cibele Queiroz Davi que, na época, tinha 17 anos.

Após da festa, a adolescente foi estuprada, morta a marteladas e o corpo desovado no lixão da cidade, pelos dois homens, dentro de um saco.

O corpo de Keila foi encontrado no dia 29 e o namorado Yaslan preso no mesmo dia.

Em depoimento, Yaslan disse que Gildázio apenas teria ajudado a levar o corpo até o lixão no veículo dele. Já Gildázio Severino, que havia prestado depoimento como testemunha do crime, disse que apenas tinha bebido com o amigo. Yaslan foi julgado e condenado a 41 anos de prisão no dia 29 de setembro de 2016 e está preso desde então.

Depois de 5 anos, o nome de Gildázio voltou a ser citado como sendo um dos autores do crime, principalmente do estupro. O exame de DNA pedido pela justiça deu positivo e confirmou que o sêmen encontrado em Keyla era de Gildázio.  O exame de DNA de Yaslan Moreira apontou negativo.

A Polícia confirma que, mesmo Yaslan não tendo participado do estupro, foi ele quem praticou o homicídio e desovou o cadáver da namorada com a ajuda de Gildázio.

 

 

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com