Operação integrada de segurança para as eleições aponta votação tranquila em Santa Catarina

O balanço da operação que mobilizou efetivos das forças de segurança municipais, estaduais e federais para a votação em Santa Catarina foi considerado positivo e sem graves ocorrências no Estado. Na tarde deste domingo, 7, assim que as urnas foram fechadas, as autoridades representantes das instituições que compõem o grupo de segurança ativado na sede da Defesa Civil catarinense, comentaram as ocorrências e os encaminhamentos realizados. A operação continua no monitoramento dos pontos de concentração para as eventuais comemorações do resultado do pleito.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Alceu de Oliveira Pinto Júnior, que coordenou a operação em Santa Catarina, destacou a força de trabalho empregada no esquema de segurança. Ao todo, atuaram cerca de 184 policiais civis, quase dez mil policiais militares, 79 policiais rodoviários federais, e mais de 140 guardas municipais. “Não registramos nenhuma ocorrência de grande monta, ou que não fosse prontamente atendida pelos efetivos atuantes nos locais de votação”, frisou.



Das 82 ocorrências, as duas que mais chamaram a atenção foi uma no Sul de Santa Catarina, onde um eleitor danificou uma urna eletrônica e a denúncia de boca de urna contra um prefeito da Grande Florianópolis.

O comandante-geral da Polícia Militar de Santa Catarina, coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes disse que o pleito atendeu às expectativas, com base em eleições anteriores. “O catarinense teve um comportamento exemplar e republicano. Nossa mobilização permanece até o término do último evento relacionado com as eleições”, enfatizou o comandante. No âmbito da Polícia Civil, o delegado Luiz Ângelo Moreira informou que todas as delegacias das comarcas trabalharam com efetivos reforçados.

Trabalho integrado com respaldo nacional

O secretário Alceu de Oliveira Pinto Júnior informou que durante uma vídeoconferência com a participação do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, e do presidente da República Michel Temer, o trabalho integrado desempenhado em Santa Catarina foi elogiado e considerado um exemplo para o restante o país.

“Temos uma estrutura de Estado que permite oferecer à sociedade catarinense um trabalho diferenciado e de qualidade”, acrescentou o coronel João Batista Cordeiro Júnior, secretário de Estado da Defesa Civil, ao mencionar a importância do Centro Integrado de Gestão de Risco e Desastre (CIGERD), para a coordenação de grandes operações no Estado.

A operação

Efetivos das polícias Civil, Militar, Militar Rodoviária Estadual, Corpo de Bombeiros, Instituto Geral de Perícias (IGP), das secretarias de Estado da Justiça e Cidadania, Defesa Civil, Comunicação, Eletrosul e Celesc . A Guarda Municipal, o Tribunal Regional Eleitoral, Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) e as polícias Federal e Rodoviária Federal trabalharam com equipes no Cigerd.

Em Santa Catarina, a ação foi coordenada pela secretaria de Estado da Segurança Pública. O modelo inédito de atuação foi articulado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), que assumiu, em todo o país, a organização e coordenação do esquema de segurança para a votação.

error: Este conteúdo é protegido. As fontes estão mencionadas no final da matéria.