Quando os ossos atrapalham o ofício. Coluna “Ao meu ver”, por Gian Del Sent

O termo “Ossos do Ofício” é amplamente usada para expressar o descontentamento em executar uma determinada função que, embora “non grata”, é fundamental para a realização do trabalho. E não tem jeito, tem que encarar.
Trazendo para a atual conjuntura do cenário municipal, vemos ossos, muitas vezes grandes, não só trazendo descontentamento, mas travando o trabalho de quem comanda a cidade.
A democracia é fundamental para a construção de uma sociedade forte e de opinião. E a oposição, feita de maneira correta, é saudável para o poder público.
O fato é que não é o que se vê nestes dias quentes de inverno. Clima totalmente condizente com as inversões que vem acontecendo em Balneário.

Ossos do legislativo.

O fato ocorrido esta semana na Câmara de Vereadores de Balneário, demonstra bem quem é o osso da história. Mostra inclusive para que veio.
A fala da preocupação com o bem da população, vem de encontro com uma dor moral pelo fato da GM estar mostrando serviço, se especializando e evoluindo em meses o que não amadureceu em anos.
Um dos principais discursos na criação da guarda pelo então secretário de segurança e atual vereador, Nilson Probst, foi de que a guarda seria peça importante no combate ao crime e que junto com demais forças policiais, tornaria a cidade muito mais segura.

Amnésia

Creio que o nobre vereador tenha esquecido este discurso, que por sinal foi sua base na eleição de 2012.
A síndrome do esquecimento deve estar acometendo Nilson faz muito tempo, pois este ano, o atual secretário, Gabriel Castanheira, desengavetou dezenas de processos administrativos contra GMs que foram protocolados e estavam, curiosamente, esquecidos.
Nilson também esqueceu de cobrar as agressões feitas por membros da GM a um menor em 2015 e também esqueceu de comentar o vídeo de 2016, amplamente divulgado em 2017, que aparece 3 GMs torturando um garoto.

Amnésia (2)

São tantos os esquecimentos que me levam a preocupação com a saúde do vereador. Estaria ele sendo acometido pelo mal de Alzheimer?
Afinal, relembro também as irregularidades denunciadas na compra das armas da GM. Ou o assessor dele que foi preso com armas e munições. Ou da briga em 2013, que resultou em processo e ele mesmo lutou a favor da GM, fazer papel de polícia.
Particularmente, quero que o nobre não esqueça de responder a matéria de Abril, publicada no Visse?, sobre as câmeras de segurança que Nilson afirmou estarem todas instaladas.

Que Deselegância

Ao mesmo tempo que Nilson desferiu críticas ao secretário Castanheira, pelo jeito de se vestir. Nilson não teve a mesma elegância durante a reunião onde Castanheira apresentava os números e respondia os vereadores.
Trajado com seu terno e camisa bem passada, o vereador interrompia, falava alto, debochava, ria e desdenhava da fala do secretário.
Nilson, isso é deselegante. Não é atitude de um “gentleman” como você.

Ossos do executivo

Como se não bastasse uma oposição que ainda não entendeu o que aconteceu em outubro de 2016, o prefeito ainda tem que lidar com a “Turma da Humildade”.
Esta vasta turma, é aquela que até hoje arrota a vitória nas urnas, estão empregados e acham que, o fato de estarem no governo, os torna mais importante que os outros.
O que eles não sabem é que, o fato de estarem no governo, os torna mais responsáveis ainda por toda e qualquer cagada que venha a acontecer. Afinal, estão como diretores e coordenadores e a função deles, é dar comando aos efetivos e estagiários.

Amnésia (3)

Assim como o outro exemplo citado acima, a Turma da Humildade está esquecendo de trabalhar. Desempenhar a sua função com excelência, sim, vai mostrar que são melhor que os outros. Os outros, que a Turma da Humildade prefere chamar “a gestão anterior”.
Eles ajudaram o governo a se estabelecer nos altos da Dinamarca. E é através deles, que o governo permanecerá. Ou não.

Saudoso Chacrinha

O grande Chacrinha, que comemoramos com muita saudade seu centenário, já tinha uma filosofia que se aplica por inteiro no governo FO.
“Quem não comunica, se trumbica”, dizia o apresentador.
E não falo do departamento de comunicação, propriamente dito. Falo do geral.
A falta de comunicação, causada pelo ego da Turma da Humildade, entre setores, secretarias e pessoas, tem deixado o alto escalão da prefeitura de cabelos em pé.

Trumbicar-se-ão

A comunicação é uma via de mão tripla. Engana-se quem acha que comunicação é apenas dar publicidade aos acontecimentos. Isso é notícia.
Notícia por sua vez, é jornalismo. E embora jornalismo seja uma ferramenta da comunicação, comunicação não é só jornalismo.
Conversem mais, minha gente. Vamos calçar as sandálias da humildade ou trumbicar-se-ão coletivamente.

Tenho dito

Essa semana dei uma entrevista para o Jornal da Manha, da Rádio Natureza, a convite do meu amigo Nilton. Foi muito bom e produtiva.
E foi muito bom também encontrar meu amigo (magro) Jairo, vulgo Juvêncio Marculino.
Falamos sobre uns acontecimentos do passado, que cheiraram atuais demais. E isso me deixou tenso.
Mas vamos adiante, pois hoje é feriado, e eu preciso descansar.

 

 

Coluna “Ao meu ver”, por Gian Del Sent

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com