Sem grana, sem licitação. Alargamento da praia só em 2019

Quem esperava ver a faixa de areia da praia central, da Barra Sul ao pontal Norte de Balneário Camboriú ser alargada ainda este ano, vai ter que aguardar mais um pouco.
Na apresentação feita ontem aos integrantes do conselho da Cidade e na terça-feira à associação Empresarial de Balneário Camboriú e Camboriú (Acibalc), representantes da prefeitura avisaram que a obra só deve a partir de 2019.

De acordo com Rubens Spernau, secretário de Planejamento da prefeitura, a licença ambiental prévia (LAP) emitida pelo Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA) prevê que a obra seja feita entre março e novembro do ano que vem.



Mas não é só por isso que a obra foi empurrada pra frente. “Nós temos que ter o provisionamento orçamentário para que possamos largar o edital”, ressalta Rubens Spernau. Ou seja, por prudência, a licitação e a contratação da empresa só vão sair quando tiver dinheiro em caixa.
Só para a obra de alargamento, que a prefeitura chama de “reestruturação da praia”, é previsto algo perto de R$ 85 milhões. “Mas não estamos parados”, garante o secretário. Segundo ele, o prefeito Fabrício Oliveira (PSB) já vem garimpando linhas de financiamento em duas frentes. Uma é no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Outra no Banco do Brasil. “No Banco do Brasil está mais adiantado. O BNDES tá para dar a resposta de prazos e carências”, informa.

Mas Rubens Spernau acredita que até final deste ano saia o edital e seja assinado o contrato com a empresa. Por enquanto, a prefeitura vem cumprindo as exigências do IMA em relação ao projeto de “reestruturação da praia”. Uma dessas exigências era a de apresentar o projeto ao conselho das Cidades, o que aconteceu ontem à noite.
Os números do alargamento da faixa de areia da praia de Balneário Camboriú são grandes. Só de areia, serão cerca de 2,7 milhões de metros cúbicos. E pra encontrar a jazida com a granulagem certa e recolher o material, serão necessárias centenas de viagens de 14 milhas náuticas mar adentro. Isso vai dar mais de 50 quilômetros por viagem.

De acordo com Edson Kratz, presidente da BC Investimentos, empresa da prefeitura, este é o terceiro projeto de alargamento da faixa de areia. O primeiro foi em 1999 e o segundo em 2006. Para ele, hoje a cidade já está madura para um empreendimento dessa envergadura.

A proposta é recompor a faixa de areia numa extensão de 5,8 quilômetros e deixar a praia, em média, com uma largura entre 70 e 90 metros. Atualmente, gira entre dois e 25 metros em meia maré.

 

 

Por: Diarinho

error: Este conteúdo é protegido. As fontes estão mencionadas no final da matéria.