Virada Cultural movimenta Camboriú com manifestações artísticas

A programação da Virada Cultural na sexta-feira, dia 23, foi extensa. O evento, promovido pela Fundação Cultural de Camboriú, iniciou com uma apresentação musical da escola municipal Marlene Pereira Zuchi, às 9 horas. Alunos do Colégio Recriarte e Magdiely Ramos Vieira, da escola Clotilde Ramos Chaves, também subiram ao palco – a jovem, que é deficiente visual, fez um solo de canto.

A programação seguiu com apresentações de líderes de torcida, do Colégio Cecam, e números de dança infantis e de rock, dos alunos do Colégio Recriarte. “As coreografias estavam belíssimas e os figurinos surpreenderam”, comenta a presidente da Fundação Cultural, Judite da Silva Piza. “O evento, em si, foi um sucesso e só posso agradecer aos artistas do município”.
O Grupo Socioeducacional e Cultural Latarte animou a comunidade com apresentações de dança e percussão de mixes de músicas nacionais. O estúdio de dança Abydos, de Itajaí, trouxe para o palco da Virada Cultural uma apresentação de balé cubano. Os alunos da escola municipal Professora Ivone Teresinha Garcia fizeram apresentações de Boi de Mamão e de dança – embalados pela música Pesadão, parceria entre IZA e Marcelo Falcão.
A Companhia Tablado das Artes exibiu o teatro infantil O grilo e o vagalume. Eliel dos Santos Nunes, aluno da escola Clotilde Ramos Chaves, fez uma apresentação de teclado. “Estou muito feliz de poder me apresentar aqui. Comecei a tocar inspirado pelo meu pai, que também é músico”, conta o garoto de 13 anos.
Últimas apresentações
A última noite de Virada Cultural começou com a apresentação de N’Drums, do artista Nicolas Oliveira. O rapaz fez três solos de bateria e jogos de luzes. Ele animou o público com Car Radio, da banda twenty one pilots; Try it Out, dos DJs Skrillex e Alvin Risk; e Evidências, da dupla sertaneja Chitãozinho & Xororó. Além de apresentações de dança, os alunos do Colégio Recriarte recitaram poemas. Os adolescentes leram textos sobre família, eleições e como satisfazer uma mulher.
A professora Thaisi Cristina Capudi, da Fundação Cultural, colocou todo mundo para dançar num aulão de zumba. Em seguida, a Companhia Tablado das Artes apresentou o espetáculo A Casa de Bernarda Alba, escrito por Federico García Lorca. As últimas apresentações foram de invernada artística, com o grupo Gaúchos de Fato, e instrumentais, com a Orquestra Sinfônica de Camboriú.
error: Este conteúdo é protegido. As fontes estão mencionadas no final da matéria.