A Dubai brasileira e suas graças – Coluna Ácido Úrico

Pedalando 

O governo FO tem anunciado grandes obras, mas de fato, nenhuma começa pra valer. Depois do bolo tomado na Rua 3198 pela empresa que deveria iniciar as obras dia 25, parece que só essa semana que começou a ser preparado o canteiro de obras. Sem fotos, sem vídeos e sem notícia.



Dificuldade

Não adianta anunciar grandes coisas se a equipe é incapaz de iniciar pelo menos as menores. Temos como exemplo o elevado da Quarta Avenida e a Av Panorâmica que, mesmo sendo anunciada há mais de um ano, não sai do papel e nem licitação foi lançada.

Marambaia

Brotou novamente o assunto do Canal do Marambaia nos grupos de “Zap Zap” e o que me impressiona é a falta de conhecimento sobre esse problema, que é um câncer que rasga BC fora a fora. A hora que vier a tona o real problema e saberem que, por exemplo, o camelô da Brasil está prestes a ser engolido por uma galeria que tem sua estrutura completamente podre, vão entender a dimensão do problema.

Emasa

Uns meses atrás eu sugeri ao diretor geral da Emasa que abrisse a galeria que passa por baixo da Praça Higino Pio, assim poderia mostrar para todos a realidade do problema do Marambaia. Não fui ouvido, a praça foi reformada e continua tudo escondido embaixo do petit-pave.

Emasa II

Dia 19 fazem exatos sete meses que foi homologado a ganhadora da licitação para desenvolver o novo site da Emasa. A empresa ganhadora, que é de Porto Alegre, levou o serviço pela pequena bagatela de R$ 39.496,44. Mas até agora, tudo continua exatamente igual. Nenhuma alteração no site.

Emasa III

Os tão anunciados copinhos de água envasados pela Emasa, até agora nem sinal também. O “breve” já dura cinco meses e nada de ver os copinhos nas repartições públicas.

Silêncio na casa do Povo

Depois do “forróbodó” protagonizado pelos eternos desafetos Elizeu e Juliethe, nada mais se ouviu falar sobre o último bafão causado pela dupla de três. Será que vai dar pizza igual foi a denúncia de assédio? Gaveta ta ficando grande demais.

Câmara

Por falar em Câmara, a Rádio Câmara, que poderia estar funcionando a todo vapor, ainda continua um Deus me livre. O responsável põe a culpa em tudo e em todos, menos em sua própria falta de conhecimento no assunto. Em não saber por a mão e fazer. Assumir? Jamais. Bons tempos que eu fazia rádio com deck de rolo e não tinha o “automático”.

As-sumido

Quem sumiu e não deu mais satisfação (e também não cobraram) sobre a balburdia que criou no departamento de comunicação da casa do Povo, foi o ex-diretor. Além de ter feito caca atrás de caca, não dar satisfação sobre documentos essenciais para o funcionamento da emissora e permitir que ,tanto o estúdio quanto a instalação, fossem feitos nas coxas, ainda conseguiu convencer uma meia dúzia que entende do assunto. E o pior, o presidente da casa avalizou cada ato e acreditou também.

Conhecimento

O presidente faz cara de paisagem quando pessoas que realmente entendem de rádio, alertam sobre as coisas erradas. Preferiu colocar alguém que não entende do assunto do que aceitar o certo. Agora, a Câmara passa vergonha. O feio não é não entender de determinado assunto. Feio é não entender, não assumir que não entende e não ouvir quem entende.

Secreto

No fim de semana passado teve uma reunião “secreta” com a imprensa promovida pela Câmara de BC. O assunto? Pasmem, transparência. Feijoada de cá, cervejinha de lá e muitos números jogados ao vento, a reunião com os “principais comunicadores” tinha gente que sequer atua em algum veículo de comunicação. E isso causou revolta de vários outros jornalistas que não foram convidados para a “reunião de cúpula”.

Reconhecimento

Não é o feijão, muito menos a cerveja. A revolta foi causada pela falta de consideração com comunicadores do “baixo clero”. “Toda semana enviam release, pedem pra divulgar e querem agendar entrevista, ai para uma reunião como essa, sequer fazem um convite”, disse um dos jornalistas. Assino embaixo!

 

 

Coluna Ácido Úrico
Por Gian Del Sent

Comente Abaixo
error: Este conteúdo é protegido. As fontes estão mencionadas no final da matéria.