Alesc e prefeitos apresentam sugestões no combate à Covid-19

Reunião foi realizada de forma remota, com a presença do governador, secretários, prefeitos e deputados. FOTO: Reprodução

Com objetivo de unificar as ações no enfrentamento ao novo coronavírus, governo estadual,  parlamentares, Ministério Público de Santa Catarina e mais de 40 prefeitos catarinenses participaram na tarde desta terça-feira (23) de uma videoconferência, na qual foram apresentadas as principais sugestões para novas medidas de combate à pandemia, que deverão incluir restrição de horários e ações para reduzir a circulação de pessoas.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Mauro de Nadal (MDB), chamou a atenção para a necessidade de um esforço coletivo para a mudança de comportamento da população, exemplificando que as pessoas estão se contaminando em situações que poderiam ser evitadas, como é o caso de aglomerações em festas clandestinas ou desnecessárias. Ele reforça que a união de todos é fundamental para salvar vidas e vencer a batalha contra a Covid-19. Sugeriu também que as medidas sejam ampliadas nos finais de semana durante o período de vigor das medidas que serão anunciadas pelo governo.

Nadal destacou a importância da reunião promovida pelo governo estadual, com a participação de secretários estaduais, principalmente o da Saúde, André Motta Ribeiro, que descartou a decretação de um lockdown. “É importante ouvir os prefeitos que são atores principais do processo restritivo neste momento, cada um na esfera de seus municípios têm a competência para adotar as medidas necessárias e cabíveis para conter a aglomeração de pessoas, para opinar e sugerir uma adoção integral para todo estado.”

Os prefeitos sugeriram que as medidas restritivas sejam unificadas, que se amplie o credenciamento de mais leitos de UTIs em hospitais particulares e que se evite lockdown geral, focando o combate nas aglomerações de pessoas em atividades de lazer.

O deputado José Milton Scheffer (PP), na condição de novo líder do Governo na Casa, destacou que a reunião significou a união de esforços no sentido de avaliar a crise e encontrar caminhos. Lembrou que o governo estadual já fez um esforço no Oeste ao abrir 160 novos leitos clínicos e nesta reunião foi anunciado um valor de R$ 600 milhões para que o Estado possa comprar leitos em hospitais privados. Neste aspecto, pediu aos prefeitos que ajudem a prospectar estes leitos em cada região. O governo também está destinando uma força tarefa de 500 policiais militares para atuarem na fiscalização das medidas restritivas.

O governador Carlos Moisés, proponente da reunião, destacou a necessidade das novas medidas restritivas e informou que participou de uma reunião na manhã desta terça-feira (23) com os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e do Paraná, Ratinho Junior, para debater a situação e as medidas adotadas no enfrentamento ao novo coronavírus na região Sul. Anunciou a ampliação de mais policiais militares na fiscalização nos municípios.

“Precisamos nos unir e adotar as melhores estratégias para conter o vírus e proteger a população. Santa Catarina tem a menor taxa de letalidade do país e teve destaque nacional como uma das melhores gestões diante da pandemia, mas precisamos do apoio de todos para frear o aumento dos casos da Covid-19. O momento pede união e solidariedade”, destacou o governador.

O secretário da Saúde, André Motta Ribeiro, informou que o Estado já reforçou o teto de aporte aos hospitais em R$ 300 milhões e tem atuado no suporte para compra de equipamentos e insumos no combate a pandemia. Ele confirmou que o Estado dispõe de R$ 600 milhões para ativação de leitos de UTI na rede privada e R$ 300 milhões para aquisição de vacinas.

Prefeitos

O prefeito de Bombinhas, Paulo Henrique Dalago Müller, o Paulinho (DEM), representando a Fecam (Federação Catarinense dos Municípios), sugeriu uma campanha de conscientização da população e que as medidas restritivas não prejudiquem os pequenos empresários e o comércio. O prefeito de Joinville, Adriano Silva (Novo), alertou para falta de médicos e solicitou apoio na contratação destes profissionais como forma de ampliar o número de leitos em operação.

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), sugeriu o aumento de testagem da população para a Covid-19, campanha publicitária de conscientização, ampliação da vacinação nos idosos e contração de mais leitos em hospitais particulares. O prefeito de Blumenau, Mario Hildebrandt (Podemos), pediu ampliação na fiscalização de trânsito, como forma de evitar que vítimas de acidentes ocupem leitos destinados aos pacientes da pandemia.

Já o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli (PP), reforçou o discurso que as medidas restritivas sejam focadas nas atividades sociais e não laborais, como forma de evitar a ampliação da crise econômica nos pequenos comerciantes e empresários catarinenses. Pediu campanha publicitária mais agressiva ao público jovem e que sejam restringidas festas em praias no período noturno.

O prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), também sugeriu que as medidas sejam adotadas em todas as regiões em comum acordo com os prefeitos. Lembrou que na região Oeste, os prefeitos adotaram as mesmas medidas anunciadas pela Prefeitura de Chapecó. Disse que a crise que a região Oeste vivencia nos últimos dias pode ocorrer nas demais regiões e por isso a necessidade que estas medidas sejam adotadas por todos.

No total foram mais de 80 participantes da reunião, entre prefeitos, vices, secretários municipais e estaduais.

Ney Bueno
Agência AL