AMFRI deve “importar” novo secretário executivo

Nesta sexta (20) deve acontecer uma assembleia na AMFRI para apresentar o novo nome para assumir a secretaria executiva da entidade, após Célio Bernardinho ser demitido.

A demissão de Célio aconteceu após várias denúncias de “supersalários” da entidade e mobilização de políticos da região em “acabar com a mamata”, como disseram. O atual presidente e prefeito de Penha, Aquiles da Costa, demitiu o ex-secretário prometendo mudança.

Na tal mudança prometida por Aquiles, deve ter a “importação” de um nome para assumir o cargo, claro, com muito acordo e conchavo político, já que o próximo indicado é do MDB, partido do presidente da AMFRI.

O nome que recebi como sendo o novo indicado é de Ademar Henrique Borges. Sabe quem é? Não? Eu também não sabia até receber essa informação.

Ademar é de Balneário Barra do Sul, região norte do estado, foi eleito prefeito na cidade praiana em 2012 e se reelegeu em 2016. Estava atuando desde abril do ano passado na FUNASA, como diretor. Se tem capacitação? Não faço nem ideia.

Com a atitude, Aquiles dá um tapa na cara da população e dos prefeitos da AMFRI, como se não tivesse ninguém na nossa região capacitada para assumir o posto. Sem contar que Aquiles que gosta de se mostrar como “diferentão”, acaba sendo mais do mesmo na política catarinense ao indicar um chegado.

Já que nada foi feito de útil na AMFRI nos últimos anos no que diz respeito a saúde da região, nem mesmo na mão do prefeito de Penha, quem sabe agora com o expert em saúde com 1 ano do FUNASA, alguma coisa possa acontecer. Se bem que o MDB não anda muito preocupado com a saúde. O maior exemplo disso é o prefeito de Camboriú, que sequer assinou contrato para ajudar no custeio dos hospitais de Itajaí e Balneário Camboriú no início da pandemia, e a AMFRI sequer advertiu Elcio sobre isso.

Aos amigos os favores e aos inimigos os rigores da lei.


AMFRI deve “importar” novo secretário executivo
Poucas e Boas – Por Gian Del Sent

Publicidade