Arthur do Val abandona pré-candidatura e pede desfiliação do Podemos

Foto: Bruno Santos/Folhapress - Produção Daniela Ribeiro

Após abrir mão da pré-candidatura do governo de São Paulo e sair do MBL no último sábado, dia 05, Arthur do Val pediu desfiliação do Podemos. O partido fazia pressão para que o deputado estadual deixasse a legenda, mas do Val resistia.

A situação ficou insustentável após o vazamento de áudios de Arthur do Val com comentários machistas e misóginos sobre refugiadas ucranianas. O deputado disse que elas eram “fáceis, porque são pobres”.

No documento, revelado pelo portal Metrópoles, Arthur do Val não justificou a saída do Podemos, apenas pediu a desfiliação partidária.

Arthur do Val corre o risco de ter o mandato de deputado federal cassado. Nesta segunda-feira (7), o Conselho de Ética da Alesp recebe representações contra do Val. Questionado sobre o tempo de tramitação do processo deve ser de 30 a 40 dias. Carlão Pignatari (PSDB), presidente da Alesp, avalia que o processo contra Fernando Cury, que assediou a deputada Isa Penna, demorou demais e, agora, contra do Val, deve ser mais rápido.

Sobre uma possível cassação, Arthur do Val disse que pretende “defender o mandato”. “Nem tanto por vontade de continuar, porque é fogo, a gente vive em um país onde a gente tem um deputado encontrado literalmente com dinheiro na bunda, e não aconteceu nada com ele”, reclamou.

Na avaliação de Arthur do Val, ele não mereceria ser cassado.

Saída do MBL

O deputado Arthur do Val anunciou nesta terça-feira (8) a saída do MBL (Movimento Brasil Livre). Em um vídeo divulgado no canal no YouTube, ele se pronunciou após áudios misóginos e machistas sobre refugiadas ucranianas.

“Não entrei na política para fazer carreira. Entrei na política por missão que acredito”, disse. “Estou atrapalhando, vou sair. O que aconteceu foi que eu cometi um erro grave. (…) Não acho justo que por um erro que foi meu, outras pessoas paguem. Não quero ser esse fardo.”

“Tomei essa decisão de me afastar de tudo. Vou sair do MBL”, afirmou. “Vou ser sincero, às vezes as coisas vão um pouco longe demais… Estou recebendo muitas ameaças. Uma foi bem séria”, disse ao comentar ameaças feitas por neonazistas russos, que estão oferecendo dinheiro a quem matar o deputado.

Segundo do Val, ele usará o tempo para ficar mais introspectivo, refletir, aprender e “amadurecer um pouco”. “Peço desculpas a todas as pessoas que eu magoei”, também pedindo desculpas à ex-namorada, que rompeu o relacionamento após os áudios.

Áudios vazados

Nos áudios, vazados nas redes sociais na última sexta (4), Arthur do Val faz comentários machistas e sexistas com relação às refugiadas mulheres da guerra da Ucrânia.

Alegando estar no país desde o início da semana, o ex-integrante do MBL (Movimento Brasil Livre) afirma que as refugiadas que supostamente teria encontrado na fronteira entre a Eslováquia a e a Ucrânia “são fáceis porque são pobres”.

“Momento de empolgação”

Para se justificar, Arthur do Val afirmou que os áudios foram um “erro num momento de empolgação”, mas buscou desvincular suas falas do teor da viagem feita à Ucrânia.

“Foi errado o que eu falei. Não é isso o que eu penso. O que eu falei foi um erro num momento de empolgação”, afirmou Arthur do Val ao chegar no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

Ele disse que não teve tempo no país nem para tomar banho e, embora tenha admitido que suas afirmações foram descabidas, disse ser preciso avaliar em qual contexto.

“Estou há três dias sem tomar banho. Eu fui [à Ucrânia] para fazer uma coisa, mandei um áudio infeliz e a impressão que passou foi a de que eu fui fazer outra coisa. Se as pessoas quiserem me julgar pelo meu áudio, acho que as pessoas têm esse direito. Só peço que as pessoas entendam o contexto”, disse.

Retirada da candidatura

No sábado (5), Do Val anunciou a retirada de sua pré-candidatura ao governo de São Paulo. A saída acontece após a divulgação de áudios do parlamentar com comentários machistas e sexistas com relação às refugiadas mulheres da guerra da Ucrânia.

“Os áudios que vazaram de uma conversa com amigos são lamentáveis. Não são corretos com as mulheres brasileiras, ucranianas e com todas as pessoas que depositam confiança em meu trabalho e, por isso, peço desculpas. Não tenho compromisso com o erro. Por isso, entrei em contato com o presidente do Podemos, Renata Abreu, para retirar minha pré-candidatura ao governo de São Paulo. Faço isso por entender que nesse momento delicado da política nacional é necessário preservar o árduo trabalho de todos aqueles que se dedicam na construção de uma terceira via. O projeto não merece que minhas lamentáveis falas sejam utilizadas para atacá-lo”, escreveu em seu Instagram.

Publicidade