Assassino de advogada tem prisão preventiva decretada e vai para o presídio da Canhanduba

O advogado preso em Balneário Camboriú na noite desta quarta-feira (4), que se entregou à polícia depois de quase 24h de negociações, após matar a namorada, foi encaminhado para a delegacia onde passou por uma audiência. Paulo Carvalho de Souza, de 42 anos, foi transferido para o Complexo Penitenciário do Vale do Itajaí, no bairro Canhanduba, em Itajaí.

O delegado Ícaro Malveira, responsável pelo inquérito, prendeu Paulo em flagrante por ocultação de cadáver. Como a pena para este crime é inferior a 4 anos, o delegado estipulou a fiança em 50 mil reais, que não foi pago, e Paulo foi levado ao presídio.



Quanto ao crime de homicídio, não houve o flagrante pois havia passado mais de 24h do ocorrido. O delegado fez pedido de prisão preventiva de Paulo pelo crime de homicídio, saiu ainda durante a madrugada, logo após Paulo ser levado ao presídio.
Às 11h desta quinta-feira (4), a Polícia Civil realizará uma coletiva de imprensa para esclarecer o inquérito.

Paulo se entregou aos policiais por volta das 18h30 de quarta-feira (3), mais de 24 horas depois de ter sido descoberto o crime. Desde a noite de terça (2), ele ameaçava pular do sétimo andar de um prédio localizado no Centro de Balneário Camboriú.

O advogado confessou o feminicídio de Lucimara, com quem morava no apartamento e tinha um relacionamento há pouco mais de dois anos. Ele apresentava cortes nos pulsos e foi atendido pelo Samu.

Atitudes suspeitas

Na última quinta (28), moradores do prédio notaram que ela não foi mais vista no local e familiares perderam o contato com mulher. Em meio à desconfiança, vizinhos viram Paulo entrando no prédio com vários pacotes de gelo.

Após receber a denúncia dos vizinhos, a PM foi ao prédio e procurou pelo casal, mas não encontrou sinais de que havia alguém em casa. Os agentes permaneceram lá, até que a central da polícia recebeu uma ligação – do próprio Paulo – questionando o motivo da presença policial. Ele informou que a namorada estava em Blumenau e que ele estava a caminho da rodoviária. Foi então que os policiais se dirigiram a um apartamento próximo e avistaram o homem dentro de casa.

Paulo admitiu o crime para os agentes e passou a ameaçar que iria se jogar da sacada do apartamento. Os policiais militares deram início à negociação, por volta das 18h, que foi assumida por um especialista do Bope mais tarde, por volta das 22 horas.

Paulo justificou à polícia que teria tido um “surto psicótico” e que teria “confundido a mulher com aranhas”. A vitima, Lucimara Staziak, de 30 anos, foi encontrada morta sobre a cama, com golpes de faca.

Comente Abaixo
error: Este conteúdo é protegido. As fontes estão mencionadas no final da matéria.