ATUALIZAÇÃO: Atentado em creche com facão deixa 5 mortos, entre crianças e professoras

Atentato em escola de Saudades, no Oeste de Santa Catarina, nesta manhã de terça-feira (4) – Foto: Imprensa do Povo/Divulgação ND

Atualizada 12:20

Um jovem de 18 anos, cuja identidade não foi divulgada, invadiu uma creche armado com um facão (tipo adaga) e esfaqueou crianças e professores no município de Saudades, no Oeste de Santa Catarina. O fato aconteceu na manhã desta terça-feira (4).

Segundo os bombeiros, três crianças e uma professora morreram na hora. Uma outra professora, que foi levada em estado grave para o hospital, não resistiu aos ferimentos e também morreu. Uma outra criança sofreu ferimento leve.

Segundo informações da Polícia Civil, o agressor seria um jovem de 18 anos. Não se sabe a motivação do atentado. A Polícia Civil está no local do crime para ouvir testemunhas.

De acordo com a Polícia Militar (PM), o assassino foi detido. Ele também teria se ferido numa tentativa de suicídio e foi levado para um hospital da região em estado grave.

A escola atende alunos da educação infantil. Segundo o prefeito da cidade, Maciel Schneider, será decretado luto de três dias, suspendendo todas as atividades nas escolas.

“É uma tragédia inexplicável. Estamos colocando todas as equipes para dar suporte às famílias. É algo que não tem explicação”, diz o prefeito.

Polícia Civil inicia investigação

De acordo com o delegado de Pinhalzinho, Jeronimo Marçal Ferreira, o local foi isolado para perícia do IGP (Instituto Geral de Perícias). Os corpos das crianças e da professora encontram-se na sala de aula que ocorreu o crime até a chegada do IML (Instituto Médico Legal).

“O agressor chegou de bicicleta na escola por volta das 10h portando uma faca grande. Cerca de 30 crianças estavam na escola no momento e ele invadiu uma sala de aula onde tinham quatro crianças, a professora e mais uma funcionária da escola”, conta o delegado.

As demais crianças e professoras conseguiram se trancar dentro das salas de aula para evitar as agressões. O jovem foi contido dentro da escola por vizinhos que ouviram os gritos. Nesse momento ele tentou se matar.

“Ele foi contido dentro da escola e naquele momento tentou tirar a própria vida. Os eletrônicos da vítima passaram pela perícia para buscar a motivação desse crime. Ele não tinha ligação com as vítimas e também não tem histórico policial”, explica o delegado de Pinhalzinho.