Autoescola de Balneário Camboriú é acusada de dar golpe em alunos

A sonhada carteira de motorista virou um pesadelo para alguns moradores de Balneário Camboriú. Mais de 10 futuros motoristas registraram denúncias no Procon e na Polícia Civil informando que a Autoescola Zeferino recebeu adiantado para fazer o procedimento de retirada de CNH, mas fechou as portas em janeiro deste ano sem concluir o serviço e nem devolver o dinheiro aos clientes.

O promotor de vendas Cristiano Coelho Mello, de 38 anos, pagou R$ 1.640 para tirar a CNH nas categorias A e B, moto e carro, no final do ano passado. A turma dele, com cerca de 15 pessoas, cursou 20 aulas teóricas antes do recesso de final de ano e aguardava o agendamento da prova teórica no Detran para iniciar as aulas práticas.

No início de janeiro, os alunos procuraram o estabelecimento para dar sequência no processo, mas a autoescola estava de portas fechadas. “A autoescola entrou em recesso em dezembro e até hoje não voltou mais a abrir. Foram despejados do endereço, o Detran removeu a credencial deles e o Procon recebeu reclamações, além de inúmeros boletins de ocorrência”, contou Cristiano.

No prédio da avenida Alvin Bauer, onde funcionava a autoescola, não há mais nenhum representante da empresa. “Muitos, como eu, pagaram à vista e não conseguiram concluir. Outros pagaram à vista e nem tiveram a oportunidade de começar”, revela.

Revoltados, vários alunos registraram o golpe na Polícia Civil e também no Procon. Eles descobriram que os donos já praticaram o mesmo golpe no município de Maringá, no norte do Paraná.

Jean Carlo Lopes, diretor do Procon de Balneário Camboriú, confirma ao DIARINHO que o órgão de defesa do consumidor tem sido procurado por moradores lesados pela autoescola que encerrou as atividades. “Ele fez uma espécie de promoção no final do ano passado, captou bastante clientes, recebeu e fechou a autoescola. Ela não existe mais. As correspondências enviadas ao endereço fixo retornam e os telefones não atendem mais”, explica.

Todas as reclamações que chegam ao Procon estão sendo repassadas à Polícia Civil. “Já existe um inquérito policial investigando o caso. Também estou fazendo um dossiê, juntando todas as reclamações e documentos, para enviar ao Ministério Público. Neste caso não cabem ações administrativas, mas, sim, medidas criminais”, adiantou.

Post no Instagram

Há cerca de duas semanas, Tiago Silva, que seria o proprietário da autoescola, fez um post no Instagram da Zeferino Autoescola informando que o estabelecimento estava passando por mudanças. “Infelizmente vai ter um atraso maior do que o esperado, em torno de dois a três meses. Estamos fazendo um levantamento dos processos dos alunos e processos de renovações, e estaremos entrando em contato com todos para finalizar as devoluções, para quem não quiser esperar por esse prazo. Só que para isto, estamos levantando os dados de todos para saber o que foi feito até agora no CFC Zeferino, para não passar informação errada”, escreveu Thiago Silva, colocando ícones de um homem batendo palmas e de uma mulher boquiaberta, em sinal de pouco caso com os clientes.

O DIARINHO tentou contato com a autoescola nos telefones anunciados na internet, mas não teve sucesso.

Fonte: Jornal Diarinho

Publicidade