Butantan recomenda uso de agulha mais fina para economizar vacina. Entenda.

Foto: Reprodução

O Instituto Butantan está aconselhando as prefeituras a usarem agulhas mais finas na aplicação das doses da CoronaVac. A vacina contra a covid-19 é desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e produzida no Brasil pelo instituto.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo, o Butantan recomenda o uso de agulhas de 1 milímetro em vez das de 3 milímetros. O objetivo é evitar o desperdício do imunizante no momento da aplicação.

Um frasco de 10 doses pode render até 12 caso uma agulha mais fina seja usada.

O pedido corrobora um alerta feito pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na última 4ª feira (27.jan). A agência declarou que cada pessoa deve receber 0,5 ml do imunizante. O Butantan disponibiliza a CoronaVac em frascos de 6,2 ml, ou seja, que podem render 12,4 doses.

O Butantan explicou ao UOL que “seguindo as boas práticas de fabricação, é envasado um volume maior que, se retirado com cuidado das ampolas pelos profissionais das unidades de saúde, pode render até duas doses a mais. Cada ampola da vacina tem 6,2 ml. Isso pode contribuir para imunizar um maior número de pessoa a cada frasco aberto”.

As primeiras 6 milhões de doses da CoronaVac aprovadas pela Anvisa em 17 de janeiro vieram prontas da China em frascos individuais, com 0,5 ml cada. O 2º lote, aprovado em 22 de janeiro, era de imunizantes envasados pelo Butantan, em frascos de 10 doses.

VACINAÇÃO NO BRASIL

O Brasil tinha aplicado pelo menos 1.481.590 doses de vacinas contra o coronavírus até 18h02 dessa 5ª feira (27.jan.2021). Os dados são do CoronavirusBot, que complica dados do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais de saúde. Além da CoronaVac, os Estados receberam doses do imunizante da AstraZeneca/Oxford.

O Brasil já aplicou 6.997 doses a cada milhão de habitantes. Proporcionalmente, o Distrito Federal foi a unidade da Federação que mais vacinou sua população. Foram 10.905 doses aplicadas por milhão de habitantes. É seguido por Rio Grande do Sul (10.758) e Alagoas (10.586).

Em números absolutos, a maior parte das doses foi administrada em São Paulo: foram 294.886 aplicações. Corresponde a 20,3% de todas as doses administradas no país. Na sequência, aparecem o Rio de Janeiro (11%) e Minas Gerais (9%).

Por Poder360