Campanha da Câmara segue modinha mas esquece do básico e mais importante

Foto: Canaltech/Divulgação

A Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú junto com o Conselho Municipal da Juventude entraram na modinha do TSE, e seus súditos “formadores de opinião”, e lançaram uma campanha incentivando a emissão do título de eleitor por jovens de 16 e 17 anos.

A intenção do TSE é clara e nem preciso entrar em detalhes né? Afinal, ele nunca se preocupou com isso e agora é a hora de colher os frutos de uma geração moldada para ser influenciada até por quem ganha a vida mostrando a bunda e contando suas aventuras sexuais. Trazer para a urna estes cérebros com incapacidade de pensar, pode trazer resultados no macro e o TSE “vencendo”, como disse Barroso. Mas isso é assunto para outra coluna.

O fato é que a Câmara de Balneário Camboriú, assim como outras câmaras de cidades que possam fazer algo parecido, deveriam se preocupar com algo muito mais importante que acontece dentro das nossas cidades. O baixo índice de eleitores em comparação com a população. A campanha deveria ser “Vote em sua cidade” e não “MeuVotoTaOn”. Eu explico!

72% EM BC 

Tomamos como exemplo Balneário Camboriú que, de acordo com o IBGE, tem aproximadamente 148 mil habitantes. Deste total, aproximadamente 105.300 habitantes tem entre 18 e 70 anos, que pela lei são obrigados a votar. Se for contar população adulta, acima de 18, esse número sobe para aproximadamente 116.500.

Destes 116.500 apenas 84.600 são eleitores na cidade, algo em torno de 72%. O Município de Balneário Camboriú tem aproximadamente 32.000 habitantes que não votam na cidade. Isso sem contar a abstenção que cresce a cada eleição. Quem conhece como funciona a coisa pública sabe o quanto isso faz diferença. O legislativo municipal não deveria se preocupar com isso?

Se formos na cidade vizinha, a situação é ainda pior. Camboriú, com uma população aproximada de 87,1 mil habitantes, tem uma população adulta (18+) de aproximadamente 61,3 mil pessoas. Espantosamente, o município tem 38159 eleitores, cerca de 63% da população adulta e apta a votar. Estamos falando de aproximadamente 23 mil pessoas que moram na cidade mas não votam em Camboriú.

PRIORIDADES

Será que ninguém se atenta a isso? Os dados que eu trouxe aqui são oficiais, extraídos do IBGE, TSE e Saúde do Estado. Não são números inventados. Quando é que o poder público, principalmente o legislativo que trata destes assuntos, se atentará que cada vez mais as pessoas perdem o interesse em votar a ponto de mudar de cidade e não transferir o título? Vão para a fila justificar, mas não se interessam em votar.

O foco está sendo a modinha. O foco está sendo captar os votos de uma pequena parcela da população que não é capaz de resolver uma conta de divisão, conjugar um verbo ou quem descobriu o Brasil, tornando-as aptas a escolher quem vai administrar uma cidade, estado ou país.


Campanha da Câmara segue modinha mas esquece do básico e mais importante
Poucas e Boas – Por Gian Del Sent

Publicidade