Cantora faz graves denúncias sobre a questão do COVID em Balneário Camboriú

A artista Elke Melo, cantora da cidade de Balneário Camboriú e ex-candidata a vereadora pelo Patriota, usou um grupo de whatsapp para desabafar e fazer graves denúncias sobre o atendimento dos pacientes do COVID em Balneário Camboriú.

Em suas falas para o grupo com 223 membros, Elke acusa a prefeitura de “forçar” as pessoas a fazerem o teste de COVID pois estaria recebendo R$ 8.000,00 por cada caso assintomático e R$ 19.000,00 por cada paciente positivado e que desenvolveu sintomas da doença.

Ainda de acordo com a cantora, a informação foi confirmada por um médico e pela enfermeira que faz a triagem no Centro Covid da Cidade. Ela não revelou o nome da mesma para não prejudicar a profissional.

Elke diz que procurou o Hospital Ruth Cardoso para ter atendimento médico após a sua bronquite ter atacado. Ela afirma que foi encaminhada para o Centro Covid mesmo sem estar com sintomas da doença.

“Não quiseram me atender no Ruth e me empurraram para o Centro do Covid. E lá fui muito mal atendida pela medica que mal me olhou na cara e depois de implorar por uma injeção questionei para a enfermeira porque querem a todo custo empurrar teste de covid. E ai tive essa resposta. Dos valores. Não vou citar o nome dela para não prejudicar.” disse a cantora.

A cantora acusa o prefeito Fabrício Oliveira de ser o responsável por colocar COVID em todos os protocolos (atestados de óbito) para supostamente receber os valores.

Elke ainda acusou o Hospital Ruth Cardoso de ter negado a realização de um exame de raio-x e o fornecimento de um medicamento que ela pediu. Uma médica ainda teria debochado dos sintomas dela pois ela estaria querendo uma desculpa para não trabalhar.

O que diz a prefeitura

Procurada pela reportagem, a assessoria de comunicação desmentiu que algum valor seja pago por paciente positivo para Covid na cidade e que a fala trata-se de uma fake-news já desmentida em outras ocasiões e rechaçada por diversos órgãos de verificação.

A nota ainda lembra que toda realização de exames e prescrição de medicamentos cabem unicamente ao médico que atende ao caso, após avaliação clínica do quadro do paciente.

Quanto as outras acusações, a Secretaria de Saúde vai verificar mais detalhes com a direção do Hospital para saber se houve algum problema no protocolo de atendimento.