Casal, morto a tiros, foi enganado e assassinado; Polícia Civil esclarece morte

Em uma coletiva de imprensa na noite desta quinta-feira (20), a Polícia Civil deu detalhes da investigação que levou a localização dos corpos de Simone da Silva Fialho e Evanir Pires dos Santos Taborda, que estavam desaparecidos desde 20 de janeiro de 2020.

Os corpos de Simone e Evanir foram encontrados na tarde da quarta-feira (19) no distrito de Alto da Serra, interior de Chapecó (SC), depois de dois dias de buscas feitas pela Polícia Civil em meio a uma região de mata.

Um chinelo de Simone foi encontrado durante a terça e, na quarta, os corpos localizados. O delegado Vagner Papini detalhou que duas mulheres, de 25 e 35 anos, foram presas ainda na quarta suspeitas de participação no crime. Um homem, de 56 anos, que teria sido o responsável pelos disparos que mataram o casal, foi identificado e é considerado foragido.

Como foi a investigação

Durante a coletiva, o delegado regional, Ricardo Casagrande, comentou que este foi um dos casos mais complexos investigados pela DIC, que utilizou de várias técnicas para identificar e localizar os suspeitos. Nesta semana, ao interrogar as duas suspeitas, a mulher de 35 anos preferiu permanecer em silêncio, enquanto a jovem de 25 colaborou com a investigação da polícia e deu detalhes sobre o que aconteceu naquele dia.

O passo a passo do crime

De acordo com Papini, a investigação demonstrou que os suspeitos faziam parte do círculo de convívio das vítimas, que teriam sido convidadas para ir até uma linha do interior de Chapecó para ver uma propriedade ou máquina que estaria sendo vendida. Neste local, ao descer do carro, Evanir foi imediatamente alvejado com um tiro. Ao cair, o homem de 56 anos teria feito outros três disparos contra a vítima no chão. “Evanir foi posto no porta-malas do carro. Já Simone foi colocada no banco de trás e levada até onde os corpos foram encontrados. Ela foi levada até lá com a promessa de que seria solta, entretanto esse não era o objetivo, porque os suspeitos pretendiam fazer uma ‘queima de arquivo'”, disse o delegado. Simone, então, foi alvejada por um tiro na cabeça e outro no peito e os dois foram enterrados em meio a uma área de mata. “Simone morreu de forma injusta. Ela morreu pelo fato de estar na companhia de Evanir”, pontuou Papini.

Carro abandonado no RS

A investigação mostrou também que o homem de 56 anos foi o responsável por levar o carro de Evanir e abandoná-lo na cidade de Trindade do Sul (RS). A polícia acredita que essa tenha sido uma estratégia para tentar despistar a investigação. As câmeras de monitoramento de Chapecó também ajudaram a remontar o passo a passo feito pelos criminosos e o deslocamento deles com o carro das vítimas e também com os veículos dos suspeitos usados naquele dia.

Dinheiro teria motivado o crime

Papini alertou que não poderia dar detalhes, mas informou que a motivação envolve a questão monetária. “Não tem nada a ver com a Simone, mas sim com Evanir, fruto de um negócio mal sucedido. Descartamos qualquer motivação passional”, explicou.

Interrogatório

Os três suspeitos chegaram a ser ouvidos pela Polícia Civil um dia antes da localização dos corpos. A mulher de 35 anos e o homem de 56, ambos que já cumpriram penas por crimes de homicídio, ficaram em silêncio. Já a jovem, de 25, colaborou com a investigação e deu detalhes do que aconteceu no dia do crime. À polícia, ela alegou ter sido convidada apenas para fazer companhia à mulher de 35 anos, e que não tinha conhecimento do crime que seria praticado. Como não havia mandados de prisão, naquele momento, os três foram liberados.

Prisão das duas mulheres e homem foragido

Assim que os corpos foram encontrados, na quarta, a polícia representou pela prisão preventiva dos três que rapidamente teve parecer favorável do Ministério Público e foi deferida pelo Poder Judiciário. As duas mulheres foram localizadas e presas ainda na noite da quarta, enquanto o homem fugiu e é considerado foragido da Justiça.

Simone estava grávida

O delegado comentou também que, apesar de não ter sido encontrado um feto em análise feita no corpo de Simone, exames feitos por ela antes do crime confirmam que ela estava grávida. Com isso, a polícia considera que foram três vidas ceifadas no crime. “Vamos juntar aos autos os exames da vítima, que demonstram que ela estava grávida, porque isso muda a tipificação penal do crime”, detalhou.

Próximos passos

A Polícia Civil tem dez dias para concluir o inquérito e os próximos passos são juntar os laudos periciais e mais algumas diligências para fazer o indiciamento dos suspeitos.

 

Informações e foto: Diário do Iguaçu