Cloroquina para bebês? Ministério da Saúde afirma que TrateCOV foi ao ar indevidamente

A publicação do sistema de tratamento precoce contra a Covid-19 do Ministério da Saúde, segundo comunicado da pasta, foi ao ar antes do previsto, após invasão de um hacker.

“Informamos que a plataforma TrateCOV foi lançada como um projeto-piloto e não estava funcionando oficialmente, apenas como um simulador. No entanto, o sistema foi invadido e ativado indevidamente – o que provocou a retirada do ar, que será momentânea”, diz o comunicado da pasta.

De acordo com o site, Olhar Digital, o TrateCov é um aplicativo que auxilia médicos a diagnosticar o coronavírus e supostamente estaria funcionando também, como um sistema de recomendação de “Kit Covid” para qualquer paciente, desde recém-nascidos.

Apesar de ser voltado para médicos, pessoas comuns conseguiam simular uma consulta pelo aplicativo. Durante simulações feitas na quarta-feira (20), o app recomendou a mesma receita para diferentes usuários, desde um bebê recém-nascido, um adulto saudável ou um idoso com morbidades. O app indicou que o “Kit Covid” seria composto por dois antibióticos, um vermífugo e antimaláricos.

Apesar da afirmação de que o serviço foi colocado no ar indevidamente, o lançamento foi noticiado nos perfis oficiais do Ministério da Saúde, além de divulgado na estatal TV Brasil e outros canais governamentais oficiais.