Coisas que só acontecem em período eleitoral – Coluna Ácido Úrico

É na época das eleições que acontecem as coisas mais bizarras que envolvem a política regional. Tem candidatos que se acham eleitos sem ter chance alguma de sucesso, os ataques infundados e as demagogias de todos os tipos.

Em Balneário Camboriú e Camboriú não tem sido diferente. Como todos os anos, as pérolas brotam e trazem risos a quem tem o mínimo de discernimento para sacar a mediocridade da política brasileira como um todo.

Elevado 

O que tem rolado de buxixo é um suposto “erro” no projeto do Elevado da Quarta Avenida com a Av. do Estado. Um claro e descarado factoide plantado por oposicionistas ao atual governo que, mostrando a total falta de capacidade de raciocínio, tenta arrumar um problema na obra que passou pela mão de 3 prefeitos. O que eles não conseguem explicar é onde foi o erro. “Especialistas” que não sabem a diferença entre túnel, elevado e viaduto.

Elevado II

O que ninguém fez até o momento, é ter o capricho de entrar no site da prefeitura, na parte de licitações, e dar uma olhada no projeto da obra que foi licitada no ano passado. Quem não entende de engenharia, pode olhar as figurinhas e ver claramente que o rebaixamento da pista da Estado já estava previsto desde a sua concepção. Logo, não estão tendo que cavar por erro algum, estão cavando pois o projeto previa isso.

Elevado III

Para refrescar a memória do povo, foi justamente o projeto inicial deste elevado, lá em 2013, que tornou Edson Piriquito réu na Operação Trato Feito. ERD carrega nas costas a acusação de corrupção por estar nos encontros da sua equipe com responsáveis pela empresa Sotepa, ganhadora da licitação para desenvolver o projeto. O problema está no fato das reuniões terem acontecido meses antes da licitação ter sido lançada. Não estou inventando nada, isso é público e está no processo que ERD responde. Portanto apoiadores do Piriquito, vão devagar e pesquisem melhor sobre isso.

Elevado IV

Aí do lado da galera do Auri, também tem uns boca aberta que pulverizaram o mesmo factoide, achando que estão abafando, dizendo que engenheiro bom é Auri Pavoni. Mas provavelmente não sabem que na época do rolo da contratação da Sotepa, Auri era secretário do governo ERD e sabia do “chamego” do prefeito com essa empresa. No mesmo processo que Edson é réu, tem a transcrição da conversa por telefone de Auri com o Valmir Pereira afirmando sobre a empresa que “O prefeito bota ali”. Portanto, também não podem falar muito.

Elevado V

O projeto desenvolvido pela Sotepa chegou a ser licitado para execução, pela bagatela de 17 milhões de reais, mas parou depois que foi deflagrada a Operação Trato Feito. Depois disso a equipe de engenharia da prefeitura, sob o comando de Edson Kratz, modificou o projeto, tornando o elevado menor e mais barato. Kratz, inclusive, que foi secretario nos governos Pavan, Rubens e Fabrício, mas vê seu projeto ser vítima de factoide em época de eleição. Aquela história, antes servia, agora não presta mais.

Elevado VI

Para encerrar a história do elevado, me admiro com o fato de ter nos grupos de whats, diversos comissionados da prefeitura e não aparecer uma bendita alma para trazer uma explicação sobre o assunto. Aliás, ninguém do corpo de engenheiros do planejamento fez sequer uma nota explicando, a prefeitura sequer rebateu o assunto. Um parabéns ao Jaildo, o único a se manifestar tecnicamente e didaticamente sobre o assunto.

Candidaturas

Termina amanhã o prazo para protocolar as candidaturas no TSE. Em Balneário Camboriú, até o momento (13hs), tanto a chapa do MDB quanto a chapa do PSDB não estavam no sistema. Como sempre, deixam para a última hora. Alguns partidos já protocolaram os candidatos a vereador. Um show de horrores, pra dizer a verdade. Tem partido que se juntar seus mais de 20 candidatos, não dá o número mínimo para uma cadeira.

Haja tinta 

Na Capital da Pedra, Camboriú, todas vez que questionados sobre obras no município, os apoiadores de Elcio Kuhnen vem com uma pilha de fotos mostrando muitas pinturas. Pintura não é obra, é manutenção. É muita pintura, escola, hospital (que continua sem atendimento hospitalar), pintura de muro, de ginásio e até meio-fio. Sim, usam pintura de meio-fio como possíveis obras. Dizem as más línguas que tem algum apoiador do governo que fabrica tinta. E tem asfalto também. Sem estrutura, sem planejamento, sem revisar redes e alguns lugares até sem meio-fio para pintar, mas asfalto tem de sobra. Parece que tem um enrosco na documentação do FINISA. Será que vai ter dinheiro para pagar tudo isso? Só não vejo fotos da Av. Santa Catarina, iniciada em 2017 e ainda não terminou.

 

Coisas que só acontecem em período eleitoral – Coluna Ácido Úrico
Por Gian Del Sent

Comente Abaixo