Decisão judicial devolve presidência da Uniavan para Mohamad após 43 dias

Às 13 horas desta terça-feira, Mohamad Hussein Abou Wadi retornou ao comando da UniAvan. Ele havia sido destituído do cargo há 43 dias, após uma decisão do Conselho de Administração da universidade embasada em uma decisão judicial.

Mohamad já adiantou à reportagem do DIARINHO que o reitor André Gobbo e outros coordenadores e professores afastados irão retornar aos postos a partir desta quarta-feira.

A disputa judicial pelo comando da UniAvan acontece desde o falecimento do fundador da instituição, Artenir Werner, em dezembro de 2020, por complicações da covid-19.

A reviravolta no caso veio às 17h20 desta segunda-feira, quando o juiz Eduardo Camargo, da 2ª Vara Cível da Comarca de Balneário Camboriú, cancelou a Ata da Assembleia Geral Extraordinária da Sociedade Avantis realizada em 22 de junho de 2021 e registrada na Junta Comercial em 5 de julho de 2021. Foi com base nesta assembleia que os herdeiros de Arternir Werner conseguiram destituir Mohamed.

A nova decisão judicial considerou nula todas as ações e atos do Conselho de Administração a partir desta assembleia, dando o direito de Mohamad regressar ao comando da UniAvan nesta terça-feira.

“Vitória importante porque ganha o grupo que de fato fez a UniAvan e não quem caiu de paraquedas após o falecimento do seu Artenir. Hoje, ganha o grupo que fez a empresa crescer e chegar onde chegou”, comemorou Mohamed.

No retorno à instituição, Mohamad fez uma rápida reunião no hall de entrada da UniAvan e agradeceu o apoio dos colaboradores. “Agradecer essa recepção calorosa, dizer que tenho muita gratidão pelo apoio que vocês me deram hoje, apoio que vocês têm me dado no meu dia a dia. Deixo minha gratidão. Eu não sou presidente para sempre, mas eu estou aqui por um propósito e por uma responsabilidade que foi me incumbida e demandada pelo senhor Artenir antes de falecer. Esse é o meu propósito e até o último dia eu vou tentar cumprir o meu propósito com ele”, disse aos colaboradores.

Vão recorrer

Bernardo Werner, acionista e presidente do Conselho de Administração, informou  à reportagem que já está recorrendo da decisão judicial. “Já protocolamos o recurso. Não concordamos com a decisão de primeira instância, em absoluto, mas confiamos na justiça e esperamos que a decisão seja revertida”, disse Bernardo.

Ele completa alegando que “as decisões do Conselho de Administração foram pautadas na governança da empresa, na ética e com o intuito de preservar a UniAvan. A destituição do Sr. Mohamad não teve nenhuma motivação política ou interesse particular. Mas decorreu e foi necessária por diversas atitudes dele contra a companhia, para satisfazer as suas pretensões particulares e de suas empresas. Inclusive na data de hoje promoveu inúmeras demissões de cargos estratégicos da empresa, o que por si só demonstra a sua forma de atuar”, afirmou Bernardo.

Disputa pelo comando

Mohamad foi destituído no dia 8 de fevereiro. Uma semana depois o então vice-presidente, Arnoldo Werner Neto, filho de Artenir, assumiu a presidência.

Logo em seguida, o reitor André Gobbo e outros coordenadores e professores da instituição foram demitidos. A reitora, Isabel Regina Depiné Poffo, a professora Bella, foi reconduzida ao cargo do qual tinha sido destituída após o falecimento de seu Artenir.

Na ocasião, os  alunos do curso de Odontologia chegaram a fazer uma manifestação pelo retorno de coordenadores e professores do curso no início do ano letivo.

Fonte: Diarinho

Publicidade