Delegado de Concórdia é ex integrante do grupo Polegar

Denis Alves fez parte da segunda formação da banda e escolheu Santa Catarina para viver e trabalhar.

A pessoa entra na delegacia e dá de cara com um ex-cantor, pop star do anos 90 que teve milhões de cópias de seus discos vendidas. O que ela faz? Grita e se joga em cima dele? Não dá, ele é o delegado!

Denis Schlang Alves, que fez parte da segunda formação do grupo Polegar, revela que, volta e meia, tem alguém que entra em sua delegacia, em Concórdia, para fazer um B.O e acaba o reconhecendo de algum lugar.

Ele entrou na segunda formação da boy band aos 16 anos, depois da saída de Rafael Ilha, e saiu aos 21 para “ter vida de gente grande”. Entre os sucessos da carreira estão as músicas Quero Mais, que deu ao grupo um disco de ouro, e Baby me leva.

— Quando a banda acabou estava um pouco desiludido e não pensei em carreira solo na época, porque eu queria estabilidade. Na vida artística, hoje a gente ganha muito dinheiro, mas amanhã está em baixa e as contas continuam chegando. O dinheiro que ganhava com o Polegar gastava com carros, roupas, viagens que é uma das minhas paixões.

Em 2009 começou a carreira de delegado, veio para a Academia de Polícia de Florianópolis onde ficou até fevereiro de 2010. Seguiu para Rio do Campo, para assumir a delegacia da cidade. De lá foi para Presidente Getúlio, Rio do Oeste e hoje, aos 37 anos, trabalha na Delegacia de Proteção à Criança, Mulher e Idoso.

DC — Quando você largou o grupo e começou a encarar a vida real, o baque foi muito grande?
Denis — A música pra mim é tudo. Acho que o mais difícil com o fim da banda foi largar o palco, que tinha uma magia muito grande. Mas quando saí da banda já tava me formando em Direito, que é uma outra grande paixão. Me especializei em Direito Penal e também comecei a dar aulas. E esse trabalho na sala de aula, com o público, também é muito bom.

DC — Do que mais você sente falta dos tempos da banda e o que você aprendeu com ela?
Denis —
Sinto falta do carinho dos fãs, de estar no palco com um grande público cantando junto comigo. Com a banda eu amadureci muito, aprendi a ter responsabilidade, pagar minhas próprias contas. Deixei de ser tão tímido, aprendi a lidar com o público e me relacionar com as pessoas.

DC — E o contato com os outros integrantes, ainda mantém?
Denis —
Só com o Marcelo, que também é advogado.

DC — Pensa em voltar aos palcos?
Denis —
Não. Quem sabe depois de me aposentar, mas hoje não abriria mão da carreira de delegado, que é uma carreira estável, pra me aventurar na vida artística.

 

A vinda para o Estado

Denis escolheu prestar concurso e trabalhar em Santa Catarina, já que tinha uma relação com a cidade, pois sempre que podia vinha passar as férias no Estado, geralmente em Florianópolis e Balneário Camboriú.

Apesar de gostar muito da Capital Catarinense, Denis confessa que prefere as cidades menores e foge do trânsito caótico da cidade, mas, pelo menos uma vez por mês, vem aproveitar as belezas da Ilha da Magia. Entre os locais preferidos estão as Praias da Joaquina e Mole e os bares da Lagoa da Conceição.

A família ficou em São Paulo, o irmão Alan, que também fez parte da banda, formou-se em Medicina, mas o jovem delegado não está sozinho por aqui. Denis hoje vive com a namorada em Concórdia, que também é delegada. Portanto, meninas, cuidado!

Por Diário Catarinense / O Sol Diário