Emasa participa de Seminário sobre reúso e dessalinização da água

Nesta quarta e quinta-feira (22 e 23), o diretor Geral da Emasa, Douglas Costa Beber, o diretor Técnico, Sérgio Juk e o analista Químico, Caio Cardinali, participaram do III Seminário Internacional da Associação Latino-Americana de Dessalinização e Reúso de Água (Aladyr), que aconteceu em Salvador (BA).

A proposta do encontro foi proporcionar troca de informações em gestão de água, integração de novas tecnologias e exposição de iniciativas e projetos desenvolvidos na América Latina, sobre a dessalinização, reúso e tratamento de água e efluentes.

Para o diretor Geral da Emasa, Douglas Costa Beber, as discussões foram muito importantes para entender mais dessas duas tecnologias – dessalinização e reúso – que hoje já são realidades palpáveis e inclusive, estão sendo aplicadas nas regiões do semiárido baiano com a implantação de sistemas de dessalinização. “Além de hoje, o acesso estar mais facilitado, inclusive valores, conhecer essas tecnologias nos possibilita ter mais dois elementos para colocarmos em discussão na questão do abastecimento de água em Balneário Camboriú, juntamente com o Parque Inundável e a busca de água em outras bacias, para podermos traçar as medidas mais viáveis a curto, médio e longo prazo”.

De acordo com o analista Químico da Emasa, Caio Cardinali, o evento apresentou as tecnologias relacionadas a dessalinização e ao reuso da água, mostrando que a limitação para a prática do reúso indireto não tem relação com aspectos tecnológicos. “Com as discussões, percebeu-se que a tecnologia existe, mas ainda há uma limitação conservadora dos órgãos reguladores, que impedem o avanço desta prática no país. Desatar esse nó é imprescindível para implementação do reúso como uma alternativa para conferir segurança adicional no abastecimento de água e assim, diminuir a pressão sobre os recursos hídricos”, destacou Caio.

Segundo o analista químico, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da EMASA, já estuda adotar futuramente, processos para produção de água de reuso para fins não nobres no Município, não incluindo o consumo humano e de animais, porque para este fim, é necessária uma legislação específica. Também será desenvolvido estratégias de comunicação e educação ambiental visando a aceitação da população para ações futuras.

O evento teve apoio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema).

Comente Abaixo