Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço

A teoria do “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” é a mãe da demagogia e da hipocrisia. Quando você adora dar um sermão mas não aplica na própria vida os ensinamentos que passa. A teoria também é típico de quem adora ser pedra, mas odeia ser vidraça.

As covas de Covas

Um dos destaques nesta semana foi a atitude do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, que está de licença saúde para tratar de um câncer, imunidade baixíssima, mas estava lá no Maracanã assistindo a final da libertadores. Tudo isso enquanto a cidade que ele governa estava completamente fechada por conta do coronavírus.

Nosso Covas

Quem também estava lá no Maracanã, foi o prefeito de Balneário Camboriú Fabrício Oliveira. No sábado, enquanto comércios eram fechados, por conta das aglomerações, e a cidade chegava ao seu 180° óbito por covid, o prefeito estava no Maracanã. A assessoria, ao ser questionada, minimizou a situação e romantizou o vacilo intitulando a situação de “passeio em família”. Romantizar é dar um ar mais fofo para situações polêmicas. Vulgo “passar um pano quente”, caso alguém não saiba.

Exemplo 

Os estabelecimentos que não cumprem as normas, tem que ser punidos sim. E não adianta dizer agora que os participantes fizeram teste, que estavam se cuidando ou qualquer outra coisa do tipo. A vida pessoal de cada um deles, diz respeito a eles. Mas estamos falando de homens públicos, eleitos pelo povo e que precisam SIM dar exemplo, pois de maus exemplos temos um monte e a doença já caiu em descrédito faz tempo.

Exemplo II

Temos em nossa cidade, varios casos de reinfecção por COVID, inclusive de pessoas próximas ao alcaide, e que ninguém deu um pio sobre o assunto. E mesmo assim o prefeito dá um vacilo desse? O Dória pelo menos pediu desculpa pela viagem a Miami.

GAECO

Caiu como uma bomba o pedido do MP para a reprovação das contas do prefeito Volnei Morastoni de Itajaí, com a justificativa de que há uma investigação do GAECO sobre a arrecadação de fundos para a campanha de Volnei através de agentes públicos, como o secretário da fazenda de Itajaí, captador de recursos da campanha de Volnei.

GAECO II

A investigação do GAECO aponta que mais de 4 milhões de reais haviam sido captados pela campanha sem serem declarados. Nomes de várias empresas com contratos milionários com a prefeitura de Itajaí estão na lista que o GAECO apreendeu em uma das buscas no ano passado. Entre elas a Ambiental Limpeza Urbana e, pasmem, uma empresa que está participando de um processo licitatório para implantação de radares na cidade.

Silêncio

Na pegada “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, a imprensa local se calou diante do fato. Até o momento, através de pesquisas no Google, apenas o Portal Visse deu a matéria completa sobre o caso. Outro falou sobre o caso sem muito destaque, dando mais espaço para o advogado de Volnei do que para o assunto propriamente dito. Num geral, mesmo com um escândalo acontecendo na capital peixeira, o silêncio foi ensurdecedor, inclusive da grande mídia.

Silêncio II

Nem mesmo os paladinos da moralidade, que adoram apontar o dedo e demonizaram Volnei na época do “Ozônio no Toba” e da “Cânfora”, deram um pio sobre o assunto. Tudo quietos igual guri cagado. Nem vou entrar em detalhes do porque disso. rs

Investigação

Por falar em investigação, eu desejo muito que a polícia faça uma apurada investigação sobre o ataque cibernético que aconteceu na prefeitura e, além de prejuízo para a prefa, atrasou o salário da galera. Que vá a fundo ver exatamente o que aconteceu e mostre exatamente COMO tudo aconteceu e PORQUE aconteceu.

Investigação II

Uma matéria publicada por um jornal local disse que o prefeito exonerou o ex-diretor por “intrigas políticas” e o avalia como um experiente gestor de TI. Até sei quem plantou essa informação torta. Acontece que o jornal volta e meia publica umas sandices baseadas no que essa mesma pessoa planta, sem nem checar a informação. Quem conhece a história toda, desde que Marcio trabalhava no TI do governo Rubens, sabe do que estou falando.

A pedido 

Marcio pediu exoneração, por vontade própria, a pedido, como consta na portaria que o exonerou. Não foi política pois quem o indicou ainda é muito forte no governo. Eu sabia da saída dele, e a ida para a iniciativa privada, 3 dias antes de sair a portaria. Eu poderia dizer até a empresa que o moço foi trabalhar, mas deixa quieto. Isso falo em outra oportunidade.

Pescaria

O jornal ainda levantou a historia de que a invasão pode ter acontecido através do acesso a um site pornô, ideia que veio provavelmente através da mesma fonte. Imaginar isso é subestimar demais a capacidade de um hacker que invade um sistema como o da prefeitura. O sistema da prefeitura é “quase” inviolável. Todas portas da casa muito bem fechadas.

Quase

Eu digo quase porque, além de ser errado dizer “nunca”, havia uma janelinha aberta nessa casa. Todas as portinhas fechadas e muito seguras, mas essa janelinha, ah essa janelinha. Ela estava aberta. Propositalmente ou não, ela estava aberta. E estava aberta faz tempo. O que deixou o caminho livre para a invasão.

Mal explicado 

Tudo está muito mal explicado. Inclusive a exoneração de um diretor no meio de uma crise e chamarem o ex-diretor para ajudar a resolver o problema. O ex-diretor que aparece como salvador da pátria e é elogiado logo depois por “chegados”. Um vírus estava no sistema? Sim, não duvido disso. O que deixa cabreiro é essa janelinha aberta. Ninguém explicou ainda também quais medidas foram tomadas após o alerta nacional do CTIR em novembro do ano passado. (Complicou o assunto? Eu vou explicar em outra oportunidade.)

Mal explicado II

Falta explicação de muita coisa. Como por ex, o backup diário da prefeitura que, com o randevu todo, descobriram que não tinha. Como que o salário da galera foi enviado para o banco sem o espelho da folha. Ou o porque alguns setores não tiveram os computadores infectados. Todos os não infectados com uma coisa em comum: Credenciais via AD. Sim, o assunto ficou técnico. Mas é só para mostrar aos “entendidos” que é fácil enganar os outros com linguagem difícil. Complicado é enrolar quem entende um “pouquinho” do assunto.

Volto em breve, com mais questionamentos.
Enquanto isso, “Protect your system, Amigo” 


Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço
Coluna Ácido Úrico – Por Gian Del Sent