‘Faria tudo de novo’, diz policial que levou mais de 100 picadas de abelhas durante salvamento

O homem que foi atacado por abelhas em um terreno no bairro Ingleses, em Florianópolis, seguia internado no hospital até a noite desta quinta-feira (5). O soldado da Polícia Militar Cristiano Manoel dos Santos, que o carregou nos ombros para retirá-lo do local, teve alta ainda na quarta (4), quando houve o ataque dos insetos. Apesar de ter levado mais de 100 ferroadas, o policial afirmou que “faria tudo de novo”.

Ajuda

“Copiamos no rádio o sargento pedindo apoio do bombeiro militar porque tinha um masculino cheio de abelha. Estava lá desacordado e precisava de ajuda”, relembrou Santos.

Em poucos minutos o soldado e o parceiro chegaram ao local: um terreno baldio às margens da SC-403. Os bombeiros já tinham sido chamados, mas não havia uma previsão de quando chegariam.

“Aí falei ‘ô, sargento, eu vou lá. Eu vou lá, seja o que Deus quiser. Vendo o senhorzinho lá coberto de abelhas sem poder se mexer, eu já estou aqui, vou até ali o final então. O rosto dele está praticamente cheio de abelhas. Só deu tempo de bater no senhorzinho perguntando se ele estava bem, ele não respondia, só levantava a mão. Na hora que eu botei em cima das minhas costas, já começou a vir. As abelhas que estavam todas nele já vieram em cima de mim”, contou o soldado.

Imagens que circulam pela internet mostram Cristiano tentando se livrar das abelhas. Os bombeiros chegaram logo depois e terminaram de socorrer a vítima. Cristiano também precisou ser socorrido.

“Meu companheiro foi dirigindo, eu já fui tirando já ferrão de dentro do meu nariz, do meu olho aqui em cima [aponta para as pálpebras]. No meu ouvido foram muitas ferroadas de abelhas”, relatou.

Feridos

Os dois foram levados para a Unidade de Pronto Atendimento do Norte da Ilha. O homem socorrido é um coletor de materiais recicláveis e precisou ser transferido para o Hospital Celso Ramos, também em Florianópolis. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, ele seguia internado em estado estável até a noite desta quinta.

Cristiano é policial militar há três anos. Nos próximos dias ainda vai precisar de acompanhamento médico. Domingo ele já volta ao trabalho. “Até no hospital chegou meu pai. Meu pai olhou dentro do meu olho e falou para mim ‘tu és um maluco, mas o pai está muito orgulhoso de ti’. Caramba, isso daí não tem preço que pague”, disse.

Por G1 SC

Comente Abaixo