Festas e aglomerações no feriadão de Páscoa vão de beach club a hostel em SC

O feriadão de Páscoa foi marcado por festas clandestinas em meio à escalada de mortes por Covid-19 em Santa Catarina. Em Florianópolis, flagrantes de festas irregulares, inclusive com pessoas circulando sem máscara — prática considerada ilegal e passível de multa de R$ 500, segundo o regramento vigente no Estado — repercutiram nacionalmente no fim de semana.

Evento em beach club de Florianópolis repercutiu nacionalmente em perfil que denuncia aglomerações – Foto: Foto: Instagram/Reprodução/ND
Evento em beach club de Florianópolis repercutiu nacionalmente em perfil que denuncia aglomerações – Foto: Foto: Instagram/Reprodução/ND

Além da Capital, cidades como Chapecó, Itajaí, Balneário Camboriú e Imbituba também registraram aglomerações. A reportagem do ND+ reuniu os principais casos dos últimos dias.

Florianópolis

Um dos casos mais emblemáticos no Estado, que chegou a sites de notícias nacionais e páginas que denunciam aglomerações pelo país, ocorreu no Café de La Musique, beach club em Jurerê Internacional, na sexta-feira (2).

Em vídeos que circulam pelas redes sociais, é possível ver pessoas aglomeradas, dançando próximas umas às outras e circulando pelo local sem máscara.

As imagens foram compartilhadas no perfil @brasilfedecovid, que denuncia festas pelo Instagram. Às 10h30 desta segunda (5), as imagens somaram quase 406 mil visualizações e 7.848 comentários.

Questionado pela reportagem do ND+, o Café de La Musique informou que abriu conforme as regras do decreto e que funcionou com apenas 25% da capacidade total.

“Às 18h, parou a venda de bebida e às 19h já não havia ninguém. Assim como todos da área de gastronomia, [estamos] tentando minimizar os efeitos deste último ano, mas, infelizmente, com dificuldade de fazer os clientes respeitarem e permanecerem sentados e com máscara”, informou a assessoria do beach club em nota.

A equipe da GMF (Guarda Municipal de Florianópolis) afirmou que chegou a ser acionada para fiscalização, mas quando chegou, por volta de 20h30, não havia mais movimentação.

Internautas criticaram as festas. Um deles comentou “desrespeito pela vida e pelo esforço dos nossos profissionais da saúde desvalorizados”.  Outro disparou “que galera vazia, chega a dar dó”.

Veja alguns comentários:

Em meio aos comentários, internauta diz que gostaria que houvesse um cadastro dos frequentadores para enviar às empresas nas quais trabalham - Redes sociais/Reprodução/ND
Em meio aos comentários, internauta diz que gostaria que houvesse um cadastro dos frequentadores para enviar às empresas nas quais trabalham – Redes sociais/Reprodução/ND
Outra usuária comentou sobre o egoísmo em meio à escalada de mortes por Covid-19 - Redes sociais/Reprodução/ND
Outra usuária comentou sobre o egoísmo em meio à escalada de mortes por Covid-19 – Redes sociais/Reprodução/ND
Internautas criticaram as aglomerações em Jurerê Internacional no perfil Brasil Fede Covid - Redes sociais/Reprodução/ND
Internautas criticaram as aglomerações em Jurerê Internacional no perfil Brasil Fede Covid – Redes sociais/Reprodução/ND

No  sábado (3), quatro estabelecimentos foram interditados. Desses, dois foram beach clubs localizados no Norte da Ilha de Santa Catarina. Além disso, foram aplicados uma multa, dois autos de infração e seis intimações. No total, 26 estabelecimentos foram vistoriados.

Os locais que sofreram infração terão processo administrativo aberto para que seja avaliado o valor da multa que será aplicada, de até R$ 500 mil.

Chapecó

Pelo menos duas ocorrências foram registradas em Chapecó, no Oeste do Estado. A PM (Polícia Militar) flagrou uma festa com dez pessoas por volta da 1h45 de domingo (4). A aglomeração com som alto e gritaria ocorreu na rua Cabo Hercílio de Mattos, no bairro Líder.

De acordo com a PM, durante a abordagem uma jovem de 19 anos foi identificada como a responsável pela festa. Ela não quis contribuir com a polícia e se negou a terminar com o barulho.

Após controlar a situação, os policiais fizeram um Termo Circunstanciado e apreenderam o aparelho de som utilizado na festa.

Mais tarde, por volta de 3h da manhã, a PM atendeu uma ocorrência de perturbação no bairro Universitário. Ao chegar ao local, dois homens de 21 anos foram identificados como os responsáveis pela algazarra. Os policiais também realizaram um Termo Circunstanciado e apreenderam a caixa de som.

Itajaí

Em Itajaí, as fiscalizações ocorreram em mais de 30 estabelecimentos comerciais em diversos bairros da cidade, de terça-feira (30) a sábado (3).  Foram realizados oito autos de infração, seis orientações e nove termos de visita.

Um bar foi interditado na sexta (1º) por descumprimento ao decreto Estadual. Segundo a fiscalização, o local estava aberto com música depois do horário permitido.

Balneário Camboriú

A Operação Se Cuida BC iniciou as fiscalizações na quinta-feira (1º) à noite até domingo (4). No período, 106 estabelecimentos comerciais foram fiscalizados.

Seis barreiras foram erguidas em pontos diferentes da cidade durante o feriadão, além das três barreiras fixas instaladas para proibir acesso aos molhes do Pontal Norte e da Barra Sul, e ao deck do Pontal Norte.

Sete festas clandestinas foram denunciadas e encerradas. A Guarda Municipal de Itajaí atendeu, ao todo,  166 ocorrências.

Imbituba

Uma comemoração de aniversário gerou aglomeração em um hostel em Imbituba, no Litoral Sul do Estado, na tarde de sábado (3).

Vídeos publicados nas redes sociais mostram diversas pessoas reunidas no que parecia ser uma festa no hostel Maximo Villa Praia do Rosa. Nenhum das pessoas vistas no local fazia uso de máscara.

Segundo dados do último boletim da SES (Secretaria de Estado da Saúde) desta sábado (3), houve 11.189 mortes no Estado. Desde o início da pandemia, mais de 815 mil pessoas foram diagnosticadas com a doença.

ND Online