Fim de semana de convenções e shows de horrores – Coluna Ácido Úrico

As convenções partidárias mais esperadas no pleito de 2020 aconteceram neste sábado, dia 12, em Balneário Camboriú.

De um lado, o Podemos, partido do atual prefeito, e do outro lado o MDB, partido do ex-prefeito que tenta voltar ao poder em Balneário Camboriú. Houve também a convenção do PSD e do Cidadania, que reafirmou o apoio a Fabrício Oliveira. Hoje terá a do Patriota, que também reitera a o apoio ao atual alcaide.

Surpresa

Uma das surpresas do fim de semana, foi a desistência de Claudir Maciel ao pleito. O ex-vereador tem um eleitorado cativo e fixo, seria uma boa aposta do PSD para entrar no legislativo, mas Claudir declinou. O PSD vai ter que se puxar para trazer mais votos e garantir uma ou duas cadeiras no legislativo. Basta saber agora quem Claudir vai apoiar.

Comício fora de hora?

Com ar de comício, o MDB realizou sua convenção no molde drive-in, com direito a palco, aglomero, bebida e gente sem máscara. Mesmo porque se batesse fiscalização, chamariam de perseguição política. Monte de gente amontoada em cima do palquinho, de mãos dadas, baforando um na cara do outro, muitos sem máscaras e não vi nenhum tubo de álcool gel por perto. Aliás, não seguia em nada a nota técnica do estado sobre convenções partidárias.

Aliados

Dividindo o palco com Piriquito, tinha os mesmos de sempre. Ex cargos, políticos, puxa saco e por ai vai. Contou com a presença de Auri Pavoni, que continuam negando que seja o vice, mas não teve a presença de Leonel Pavan. Imagino a cara do Dão Koeddermann tendo que dividir o palco novamente com o tucanato balnear. Quem esteve lá também foi Evaldo Hoffmann, ex-comandante do 12ºBPM e atual da PMRv.

Evaldo

Como essa coluna é opinativa e aqui posso expressar minha opinião sem ninguém me encher “las pelotas”, digo que posso considerar Evaldo uma das maiores decepções políticas que conheci na minha vida. Um cara que sempre considerei íntegro, que sempre bati um bom papo e arrumei briga em sua defesa. Que sempre reconheci como um fiel agente da lei e da ordem, membro de uma instituição respeitada e reta, dividindo palco com membros de um partido como o MDB.

Abraçado com réus por corrupção em um processo aberto pelo MPSC através de uma operação deflagrada pelo grupo GAECO, composto pela própria instituição que Evaldo representa. Opiniões políticas a parte, Evaldo me decepcionou como agente da lei, como o caçador de bandido, como homem reto e íntegro que sempre pregou ser. Hoje, para mim, Evaldo é só mais um nessa balburdia chamada sede pelo poder.

Podemos 

No oposto do realizado pelo MDB, o Podemos de Fabrício Oliveira realizou uma convenção com poucas pessoas, respeitando distanciamento e uso de máscaras. Uma produção impecável de cenografia, luz, imagem e organização. Acontece que poucos tiveram acesso a live que confirmou a chapa Fabrício e Carlos Humberto para 2020.

A live foi transmitida pelo app Zoom, que poucos tem acesso ou sabem como operar. Apenas o pronunciamento do próprio Fabrício, por cerca de 13 minutos, foi transmitido em sua página no Facebook. Inclusive no final do curto vídeo, a cerimonialista agradeceu a “presença dos presentes” e diz que a live estava sendo acompanhada por mais de 400 pessoas “via online”. E acabou nisso. Mais nada.

Se continuou no Zoom, não sei dizer.  Mas em redes sociais, não teve nenhuma página que transmitiu a convenção por completo. Mesmo porque o Podemos da cidade sequer tem uma página no Facebook.

Além de não ter uma página no Facebook, lugar onde muito mais pessoas poderiam acompanhar a reunião do que no Zoom, o convite para a convenção aconteceu na sexta. Na véspera não é convite, é aviso. O grupo também não tem uma assessoria de imprensa, sequer para emitir um release para a imprensa falando da convenção, apareceu uma nota depois da reunião realizada.

Eu soube da convenção através do edital publicado no Diarinho e fiz minha matéria. A imprensa no geral não foi avisada antes e sequer pode assistir hoje a convenção realizada ontem para buscar mais detalhes. Como jornalista não tive acesso a informações importantes, que imagino que foram debatidas na reunião, para escrever uma matéria.

Devagar

Não consigo acreditar que Fabrício, a publicidade em forma de pessoa, entendedor de um bom marketing político, permite que esteja acontecendo algo assim. Juro que não acredito.

Enquanto isso, Piriquito faz de cada gota um dilúvio, cada faísca um fogaréu, e transforma cada palavra em um discurso. Reuniu sua militância, espalhou bem os carros para fazer parecer lotado o local, bandeiras balançavam e o movimento aconteceu. Mesmo todo errado e desrespeitando as regras sanitárias, politicamente, o evento do MDB deu um show em comparação a convenção do Podemos.

Grupo Fraco

O fato é que o grupo de Fabrício é fraco. Com meia dúzia de meia-pataca se achando os especialistas políticos, Fabrício entrega a sua campanha a quem não tem capacidade cognitiva de criar qualquer argumento para rebater a oposição que não contenha as palavras “Gaeco” e “Estrada da Rainha”. Os bons de papo se afastaram, principalmente pelo excesso de confiança do alcaide por esse grupo que mais diminui do que soma.

A maior prova de que o grupo está fraco é o fato da primeira-dama, Mozara Paris, ter que ir para rede social defender o governo liderado pelo marido. Mozara não precisaria se expor desta maneira e acho que nem deveria. Em uma publicação em especial, Mozara teve que explicar sobre a altura do elevado da Quarta Avenida, pois não teve UM comissionado lá para falar tecnicamente ou trazer informações precisas de como é o projeto.

Enquanto isso, a “Turma da Humildade” (eu estava com saudade de usar esse termo) continua a arrotar uma eleição ganha, se achando a última bolachinha do pacote e blindando Fabrício das reais dificuldades que ele tem aqui fora. Por mais que Fabrício possa estar bem nas pesquisas, seus “garotos de confiança” não tem maturidade o bastante para entender que alguns erros podem colocar por água abaixo o sonho da reeleição.

 

Fim de semana de convenções e shows de horrores – Coluna Ácido Úrico – Por Gian Del Sent

Comente Abaixo