Funcionária da Ambiental denuncia descaso de superiores

O jornal Diarinho publicou uma denúncia com reclamações de uma funcionária da empresa Ambiental. As queixas são sobre a falta de ônibus para as equipes de rua, agressões verbais entre funcionários e supostos problemas com o cumprimento de medidas contra a covid. A empresa nega todas as denúncias.

A funcionária, que afirma trabalhar há anos na empresa, diz que a quantidade de ônibus disponíveis para as sete equipes que trabalham nas ruas foi reduzida. Ela alega que antes havia três linhas internas, com banheiro e cozinha completa, e agora há apenas um banheiro. Ela também diz que, quando o ônibus não está disponível, os funcionários precisam usar banheiros de bares e restaurantes.

A gerência da Ambiental informou que são quatro ônibus disponíveis, sendo dois da empresa e dois terceirizados. Três dos quatro veículos são equipados com banheiros e também contam com cozinha para os funcionários esquentarem o almoço. A empresa também disse que um quarto ônibus foi contratado para cumprir a medida de ocupação de apenas 50% dos veículos.

Outra reclamação feita pela trabalhadora foi sobre casos de brigas entre funcionários, algumas envolvendo ameaças de agressão física. Ela afirma que os casos, mesmo denunciados ao RH, ficam sem solução ou acabam apenas em advertência e mais constrangimento. A Ambiental afirmou que todos os casos que chegam até o RH são resolvidos seguindo o regimento interno da empresa e as leis trabalhistas, mas que outros casos podem nem chegar aos superiores, visto que são cerca de 300 funcionários.

Sobre os problemas em relação à covid, a funcionária denunciou que aconteceram casos de funcionários com suspeita da doença voltando a trabalhar antes do fim do período de atestado, atuando junto até mesmo de idosos, que são grupos de risco. Ela também reclama de uma suposta falta de cuidado da empresa quanto ao cumprimento de medidas de proteção.

A gerência da Ambiental afirmou que não é permitida a volta de funcionários antes do fim de atestado e diz que também afasta quem convive com pessoas que tem a suspeita da doença. Aa empresa diz que faz constantes treinamentos com os funcionários, além de orientar sobre o distanciamento, manter a ocupação de ônibus e a sede com trabalho reduzido para disponibilizar álcool em gel e máscaras para as equipes.