Homem mata enteada, foge e é morto em confronto

Atenção: Informações iniciais eram de que a menina havia sido estuprada, mas a informação não foi confirmada pela família, ficando a cargo do IML esclarecer o fato.

Uma barbaridade estarreceu a região nessa segunda-feira. O servidor da rede municipal de saúde de Itajaí, Marciel Medeiros, de 41 anos, matou a enteada de sete anos e ainda decepou o dedo do outro enteado, de 16 anos,  durante agressões aos filhos da sua companheira. Marciel foi morto, horas depois, durante perseguição da Guarda Municipal, no bairro Portal 2.

Os crimes ocorreram após uma discussão com a esposa, na casa da família, no bairro Espinheiros. A polícia Civil também vai investigar a suspeita de que a menina foi estuprada pelo padrasto.

Segundo informações do comandante da GM, Marco Antonio Otávio, Marciel fugiu, mas foi localizado perto de uma área de mata. Ele estava armado com uma faca. Marciel, conta a GM, investiu contra os guardas, que revidaram com tiros.

O comandante disse que a confirmação de estupro à criança só pode ser feita através de exames no IML.

Até o fechamento desta edição, a GM não informou quantos tiros foram disparados contra Marciel e se a faca usada por ele contra a GM foi a mesma utilizada para matar a enteada.

Tragédia familiar

As agressões iniciaram por volta das 18h na casa onde Marciel morava com a esposa, de 39 anos, e com os dois enteados, a menina de sete anos, que faria oito anos no dia 14 de junho, e o adolescente. O imóvel fica na rua Agenor Generoso Mello.

Marciel tinha chegado do trabalho e iniciou uma discussão com a companheira. Segundo os vizinhos, os gritos da briga foram ouvidos de longe e supostamente seriam por ciúmes do agressor do pai das crianças.

A pequena teria chegado da casa do pai às 18h e teria sido morta em seguida. No meio da briga com a mulher, Marciel teria matado a menina com facadas no pescoço e cortado os dedos do enteado. A faca usada era do tipo peixeira, com uma lâmina grande.

Não sobreviveu

A criança foi socorrida com vida, mas morreu ao dar entrada na UPA de Cordeiros. A Polícia Militar de Itajaí informou que “segundo os médicos plantonistas, foi confirmado que a criança foi estuprada e posteriormente degolada com golpes de faca.”

A secretaria de Saúde disse que só os exames vão confirmar se houve violência sexual.  “O corpo da criança será encaminhado ao Instituto Médico Legal, que conduzirá as demais investigações sobre o caso”, informou a secretaria.

O acusado era funcionário da secretaria de saúde de Itajaí desde 2007 e trabalhava no setor de endemias.

Via Diarinho

Publicidade