Homem sob efeito de drogas e “em surto”, mantém esposa refém em Itapema

Na manhã desta segunda-feira (1º), policiais militares precisaram atuar em uma ocorrência de possível refém em um apartamento em Itapema, no Litoral Norte de Santa Catarina. De acordo com informações iniciais, o homem é um médico cardiologista de 46 anos, estava com sinais claros de estar sob o efeito de drogas e em um tipo de “surto”. Ele manteve a própria esposa refém e sob ameaça. O casal é de São Paulo e alugou um apartamento na cidade.

Os dados do homem não foram fornecidos pela polícia por força da lei federal 13689/2019.

Durante cerca de quatro horas, policiais precisaram dialogar com um casal para que eles abrissem a porta do apartamento, entretanto, o homem se manteve irredutível fazendo diversas exigências para a polícia. O suspeito ainda disse estar armado, informação confirmada pela mulher.

As negociações começaram após a Polícia Militar ser acionada por vizinhos que informaram que o homem e a mulher estavam berrando desde a madrugada e eles ainda teriam ateado fogo em um lençol e jogado pela janela. Na chegada da PM, os policiais perceberam que o autor estava alterado e que mulher estava tentando transmitir que estava tudo bem. “A mulher parecia coagida pelo marido em situação de possível cárcere privado, não sendo possível ter acesso ao apartamento”, informou a PM.

“Iniciado a negociação o homem e sua esposa estavam totalmente sem roupa e debaixo de uma cama. Após aplicadas técnicas e táticas de negociação foi possível liberar a refém, mas o homem continuava sob a cama e passou muito tempo sem contato.”

Mulher abriu a porta

Após as negativas de abrir a porta, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), foi acionado para mediar a conversa com o casal. Minutos depois, a mulher abriu a porta e o homem foi encontrado desmaiado no quarto, sendo conduzido em seguida ao Hospital Santo Antônio pelo SAMU.

“No depoimento para os policiais os dois aparentavam estar amedrontados, e demostraram sensação de perseguição, afirmando que se sentiam inseguros com relação à sua segurança, pois acreditavam que alguém está os seguindo e tentando lhes fazer algum tipo de mal”, explicou a PM.

Não foi possível colher a assinatura do suspeito, pois este alegou que não possuía óculos para ler o depoimento. Após os policiais oferecerem fazer a leitura em voz alta, ele não aceitou assinar uma via do boletim de ocorrência. A Polícia Civil irá investigar o caso.

SCC 10

Publicidade