Imprensa que se preze não serve de pombo-correio

Quando trabalhamos na imprensa, é comum os pedidos de “dar uma força” para a pauta X ou Y. Dependendo do assunto, vale total atenção. Mas quando você também é colunista, e escreve sobre política, o número de fontes cresce na mesma proporção em que os aproveitadores de plantão se aproximam para tentar tirar um proveito.

Alguns iniciam a conversa com um “Tenho uma bomba pra ti”. Acontece que por mais que a informação seja interessante, sem provas ou indícios, são impublicáveis. Preservo minhas fontes como a Constituição me permite, mas não posso responder por acusações e nem mesmo dar notícia falsa.

Pombo-Correio 

Quando tomamos posse da informação, é deprimente chegar ao ponto onde precisamos ainda avaliar qual a intenção dela ter chegado até nós. Sim, chegamos a esse ponto pois algumas vezes deixa de ser informações exclusivas ou de bastidores, e somos usados como pombo-correio para articulações políticas.

Pombo-Correio II

Passei por isso recentemente quando uma fonte próxima ao vereador David La Barrica me afirmou categoricamente que o edil iria romper com o governo Fabrício Oliveira. Perguntei várias vezes, pedi a confirmação do fato, e a fonte foi categórica em afirmar que estava decidido.

Erro meu. Acabei não confirmando a informação com o vereador que, por alguns fatores, eu não converso desde o ano passado. Publiquei o assunto, chegaram a me dizer que David confirmou a informação e no fim das contas ficou só no papo. Provavelmente após aquela conversa com o “bombeiro” do governo, chegaram a algum “acordo” e quem acabou passando por mentiroso foi eu.

No fim das contas fui usado para negociatas e acordos. Fui usado para “pegar preço”. Mas assumo meu erro e deixo o recado: Não tentem de novo, pois o chicote estrala ao contrário.

O Patrão do Moisés

Quem me mandou mensagem e puxou um papo esse fim de semana foi o ex-vereador e ex-candidato-a-vice-prefeito, Piruka. A conversa com ele me fez lembrar que tinha visto em algum lugar que ele teria assumido um cargo no Estado.

Em algum lugar vi que o PP estaria “cobrando a fatura”. Para mim a nomeação de Piruka até que demorou para acontecer. E confirmada, mostra que o investigado no caso dos respiradores, Douglas Borba, continua mandando no governo Moisés.

Fatura?

Que o PP namora com o governo Moisés nós já sabemos, mas dizer que Piruka faz parte da “fatura” cobrada pelo partido é forçar a barra. Família Amin, Ponticelli, Dreveck e várias outras lideranças do partido no estado para cobrar fatura e escolhem um ex-vereador, sem mandato e vindo de um 3 lugar em uma chapa desastrosa com 5 mil votos em Balneário Camboriú? Menos né!

Douglas Borba e Piruka são amigos de longa data, desde a época de juventude e militância no PP há longos anos. Uma semana antes de iniciar toda essa loucura de pandemia, Piruka trazia Douglas Borba para conversar com a oposição ao atual governo de BC para “discutir a cidade”. O próprio PSL de Balneário Camboriú sofreu uma intervenção estadual, indo para as mãos de Piruka dando mais tempo de TV na coligação com o PSDB. (Inclusive o presidente do PSL estava na reunião) É óbvio que houve influência do “velho amigo” para arrumar um empreguinho para o ex-vereador.

Influência

Outra pessoa que provavelmente tenha ajudado Piruka, é o conhecido consultor político Laércio Menegáz Júnior, que também faz parte do grupo forte do PP em Santa Catarina.

Menegaz já foi chefe de gabinete de Ponticelli e coordenou a campanha de Daniel Freitas. Ele chegou a ser lotado no gabinete do Deputado, mas se desligou na mesma época em que começou de tititi com o governo Carlos Moisés. Laércio também é amigo de longa data de Douglas Borba.

Rolou até “pesquisa de satisfação” procurando aprovação de Moises e de Evaldo Hoffmann em Balneário Camboriú, realizada por uma empresa que dizem ser de Laércio, mas o site não está mais no ar. Menegaz também é bem próximo de Piruka e talvez a fatura não seja do PP exatamente, mas dos colegas que tem influencia no governo do estado. Duvida? Olha a simpática foto de uma reunião do PP em 2015.

No fim das contas, é bom que Piruka arrumou um bom trabalho. Afinal, ele tem que pagar o parcelamento do dinheiro que ele teve que devolver da prestação de contas da campanha de 2018. Faltam algumas parcelas ainda. Sucesso Leonardo.

Assessor 

Nesta foto acima, o simpático moço de barba e óculos é o advogado e ex-assessor de Piruka, Samuel Rodrigues. Samuka sempre foi fiel companheiro de Piruka e hoje ocupa a vaga de assessor parlamentar no gabinete de Cristiano dos Santos, do PL de Balneário Camboriú.

Me fez lembrar quantos embates Samuka travava nas redes sociais e grupos de whatsapp para defender o seu ex-vereador e atacar o governo Fabrício. Fico pensando como deve estar confusa a cabeça de Samuel que, até a eleição passada, batia no governo municipal. Hoje o jovem advogado é assessor de um vereador da base e anda sumido das redes sociais.

Meu Deus! Escrevendo aqui tive uma visão. Já pensou se Cristiano precisa tirar licença e a primeira suplente do PL, Juliethe Nitz, precise assumir a cadeira na Câmara? Como será que Samuel vai se virar ao encontrar o “marido da patroa”, Juliano Ninja, com quem travou grandes embates envolvendo até episódios de “supostas” agressões?

Aquele colar cervical ainda está disponível?

Só digo uma coisa! Temos que cuidar muito do hoje, pois o mundo dá voltas.


Imprensa que se preze não serve de pombo-correio
Poucas e Boas – Por Gian Del Sent