Médicos estudam transferir Ruschel e esperam Neto despertar

O diretor do hospital no qual estão internados os brasileiros sobreviventes do acidente envolvendo a delegação da Chapecoense, Ferney Rodriguez Tobón, junto da equipe médica do clube catarinense, concedeu entrevista coletiva nesta quinta-feira, atualizando a situação médica dos pacientes. Ainda na Unidade de Tratamento Intensivo, o goleiro Jackson Follmann e o zagueiro Neto apresentaram melhoras em seus quadros e o último está muito perto de despertar. Já Alan Ruschel, que está no quarto e apresentou uma melhora impressionante, começa a ter o seu retorno para o Brasil já estudado.
Neto segue com a recuperação pulmonar, mas ainda deve demorar para abandonar os aparelhos. O defensor segue inconsciente, mas os médicos apontaram que em pouco tempo, ele deverá estar pronto para acordar. Com a situação mais delicada entre os sobrevivente, o atleta ainda tem uma ferida na perna esquerda, que não tem sinais de infecção, e apenas aguarda a cicatrização.

Outro dos jogadores que tiveram uma boa novidade neste novo boletim foi Alan Ruschel, que já está no quarto e realiza trabalhos fisioterápicos por conta da cirurgia vertebral. Na conversa com a imprensa, os médicos informaram que o lateral esquerdo está muito perto de voltar ao Brasil, para ser internado em Chapecó, mas ainda não estipularam uma data. Ele não sofreu com nenhum quadro de infecção, por isso teve o processo de recuperação mais rápido do que o os outros brasileiros.

Segundo as informações dos médicos, dos internados na UTI, Follmann tem situação mais tranquila, mesmo tendo passado por um procedimento cirúrgico nesta quarta, para aumentar a amputação na perna direita. Ele segue em observação, com quadro de infecção na perna que teve parte amputada, mas apresentou melhora no quadro respiratório e está prestes a tirar a respiração mecânica. Apesar do avanço nos quadros, o goleiro terá que passar por uma cirurgia na coluna, assim que deixar a Colômbia.

Rafael Henzel também apresenta situação satisfatória. O jornalista passou por um procedimento cirúrgico para colocar dois dedos no lugar, já foi transferido para uma Unidade de Tratamento Semi-intensivo, e ainda se recupera de uma fratura no pé. Com sete costelas quebradas e quase recuperado de uma infecção pulmonar, ele só espera estar com a situação respiratória plenamente normalizada para se dirigir a um dos quartos.

Gazeta Esportiva

Comente Abaixo