Mudanças partidárias agitam o cenário político na região

Depois da filiação surpresa, negada até o último instante, de Paulinha no Podemos, outras filiações políticas agitaram os bastidores neste final de semana na região.

E o Edson Piriquito, que tinha tudo para ir junto com Dário Berguer para o PSB, até chegou a namorar com o União Brasil e rolar uns papos pelos corredores, mas no final das contas acabou indo para o Republicanos do governador Carlos Moisés. Difícil vai ser converter os seus votos para apoiar o bombeiro. Piriquito sempre teve o discurso de amor por Balneário Camboriú, mas agora se alia ao cara que só passou por aqui para um cafezinho fora da agenda com Fabrício Oliveira. Recursos, investimentos e obras? Nem pensar. Até para licitar o Centro de Eventos foi uma luta e mesmo assim rendeu polêmica com o TCE-SC.

E o Thiago Morastoni, que todos acreditavam que permaneceriam no MDB do seu pai, surpreendeu ao anunciar a filiação ao Podemos, o mesmo que Paulinha se filiou na semana passada. A notícia deixou “Pê da Vida”, membros do Podemos de Itajaí, que é oposição ao governo de Volnei Morastoni. O vereador Rubens Angioletti considerou praticamente traição. A filiação explica muita coisa, inclusive as conversas de Thiago há duas semanas na ALESC.

E o Omar Tomalih, que pretende ser candidato a alguma coisa esse ano, até tentou fazer um suspense e dar um ar de “novidades” para o fim de semana. O  autointitulado ungido estava se engraçando com o União Brasil, mas parece que o Podemos de Balneário não deu a “benção” para sua saída, sob o risco de perder a cadeira na Câmara de maneira definitiva para Robertinho Junior. Com o balde de água fria, acredito que a portaria de exoneração de Omar deve ser revogada ainda nesta segunda-feira e ele volte para a secretaria de articulação.

E o Podemos de Balneário Camboriú na verdade ficou em maus lençóis com esta articulação estadual. Com 3 vereadores e um prefeito (que foi pré a governador) eleitos em Balneário Camboriú, os representantes do partido, que sempre foram críticos ferrenhos ao governo Moisés, agora estão tendo que ficarem calados, sob pena de serem expulsos pela estadual por infidelidade partidária. É mole? Na verdade todo o diretório está pianinho, afinal, a estadual está nos braços de Moisés.

E o PDT de Balneário Camboriú que está derretendo após a saída de Eduardo Zanatta para o PT? Dizem que rolou até limpa no grupo do Whats da sigla na cidade. Quem não gostou muito da saída “consentida” de Zanatta, foi o bam-bam-bam estadual do partido Maneca Dias. Será que ele sabe que a saída de Eduardo aconteceu com o aval do próprio presidente municipal Allan Schroeder, devidamente documentada e assinada em cartório? Com este aval de Allan, o partido não pode nem mesmo pedir a cadeira na Câmara e isso tem enfurecido muita gente. Pior que Allan pretender se candidatar a deputado federal. Será que consegue?


 

Mudanças partidárias agitam o cenário político na região
Poucas e Boas – Por Gian Del Sent 

Publicidade