Muito cacique para pouco índio

A conhecida frase se encaixa perfeitamente quando se trata de cargos de comando no setor público, os conhecidos “cargos de confiança”. Deixo claro desde já que não estou generalizando, afinal, existe gente que ocupa estes cargos e que trabalham MUITO. Uma pena que estes são os primeiros a cair, quando a indicação política fala mais alto.

Refletindo 

Fui almoçar no Armazém Bistrô em Porto Belo, dos meus amados Beto e Telma, e como sempre passamos alguns minutos falando de todos os assuntos possíveis e imagináveis. Na conversa deste domingo, estava a economia do nosso Brasil.

País Rico

Em um país rico como o nosso, tanto em dinheiro quanto em recursos de todas as espécies, porque a coisa não anda? Onde vai toda a arrecadação? Fomos uníssonos na resposta: A máquina cara e inchada. Recheada de “Aspones”, o poder público, em todas as esferas, tem o cara que carimba a folha azul e outro que carimba a folha amarela. Acima deles, tem o coordenador de carimbo da folha azul (e outro para amarela), acima existe o Diretor de Departamento que carimba as folhas azuis. Junto, existe uma carrada de estagiários que carregam as folhas azuis para o próximo departamento. E claro, o secretário de “carimbação”.

Carteiraço

Dentro dessa estrutura lenta, cara e política, não é difícil encontrar os que usam a famosa frase “Você sabe com quem está falando?”. Esses são os caciques, que estão lá para mandar efetivos técnicos fazer o que eles não fazem ideia como se faz. Em Balneário Camboriú existe Diretor e Coordenador para comandar um ou dois efetivos. Antes da intervenção do MP, existiam diretores e coordenadores que não dirigiam e muito menos coordenavam alguém. A “cadeia alimentar” parava na metade, em uma estrutura que só tinha predador.

Caciques

No fim das contas, é muita gente mandando e pouca gente, de fato, fazendo. E ainda corre o risco de, quem não obedecer as ordens de quem muito manda e nada faz, sofrer perseguição e ser colocado ajoelhado no milho.

Caciques do Hospital

Um exemplo é o que aconteceu no Hospital Ruth Cardoso. Com o fim do transporte municipal para os funcionários do nosocômio devido a pandemia, a secretária mandou que todo e qualquer remanejamento de horários de funcionários fosse avisado com antecedência aos mesmos para que pudessem se adequar aos horários da Praiana. Os caciques abaixo da secretária ignoraram a orientação e exercitaram seu poder de carteiraço com um belo “Estou mandando. Aceita assim ou vaza”.

Caciques dentro e fora 

Anunciei na minha última coluna as mudanças certas e confirmadas na educação de BC. Depois que eu publiquei, misteriosamente, mudaram alguns nomes e cadeiras. Parece que agora a Bete do Caic (a ex candidata) vai ser secretária adjunta e Mirella Padilha permanece na Ed. Infantil. Quem vai ficar no desenvolvimento, não se sabe. Mas é certo que Maristela Facchio sai, infelizmente.

E o Tomógrafo?

Juro, já perguntei para 4 pessoas sobre o tomógrafo que foi comprado no início do ano passado para o Ruth Cardoso e até agora não tive resposta. Ou estão mantendo a triste mania de não dar a mínima sobre meus questionamentos, ou estão escondendo alguma coisa. Lembro que nos 6 meses de instalação, contrataram o exame em clínicas particulares. Depois alugaram um equipamento enquanto adequavam a sala para receber o novo. Ainda estou esperando a resposta. Depois eu pergunto quanto essa demora custou em exames contratados e aluguel de outro equipamento.

Economia

Vejo muitos vereadores falando em redução do número de vereadores, alegando economia. O fato é que ninguém até agora mostrou, na ponta do lápis, quanto isso vai gerar de economia. Deixam de lado a representatividade, principal função de um vereador, para levantar bandeiras politiqueiras e falar o que o povo, muitas vezes sem conhecimento, quer ouvir. Vou fazer uma matéria específica sobre o assunto e provo por A+B, que não muda quase nada.

Economia II

Parece que um projeto vai pintar na Câmara nos próximos dias. Ai sim, vamos ver se estão mesmo preocupados com economia ou se estão só querendo jogar para a torcida. Vale lembrar que baixar o número de vereadores, além de baixar a representatividade, coloca muito poder na mão de poucos. Não esqueçam que, além dos projetos e leis que tramitam normalmente, os projetos milionários que passam pelo conselho da cidade precisam passar pelo aval da Câmara através do voto dos excelentíssimos. Ai já sabe. Abram o olho.

Veículos

A prefeitura de Camboriú anunciou que adquiriu mais um carro para a frota. Legal. Mas que tal cuidar mais dos que já existem? A Strada que foi doada pela Receita Federal em 2018 ainda não foi transferida para o nome do município. O ônibus, também doado pela receita, está com 2 anos de documentação atrasada. Sem contar outros veículos que estão no bico do corvo. Não está sobrando dinheiro. Vamos cuidar mais né?

 



Muito cacique para pouco índio

Coluna Ácido Úrico – Por Gian Del Sent