Nilson Probst e Podemos se manifestam sobre confusão na 5ª Av

Uma confusão envolvendo apoiadores do vereador e candidato Nilson Probst e apoiadores do Podemos de Fabrício Oliveira ferveu na manhã deste sábado, dia 31.

A notícia inicial, que chegou a ser publicada pelo Portal Visse, era de que o candidato Nilson havia sido ferido por agressões durante um ato de campanha na 5ª Avenida, no Bairro dos Municípios. A informação foi desmentida logo em seguida.

A confusão rolou em frente ao comitê do Podemos na 5ª Avenida, quase em frente a Univali, onde vários candidatos do MDB faziam um “bandeiraço”. 

A coordenação do Podemos acusa o vereador de ter tentado invadir o local a força e ameaçado tirar a arma para um dos integrantes da equipe adversária. Nilson é policial civil e tem porte de arma.

Já o vereador acusa o grupo de ter provocado sua equipe com som alto e xingamentos com palavras de baixo calão. O clima teria esquentado e a confusão teria se formado.

O que diz o Podemos

Procurada pela reportagem, a coordenação da campanha “Fazer o futuro acontecer”, do Podemos, emitiu a seguinte nota.

“A equipe da coligação Fazer o Futuro Acontecer, dos candidatos Fabrício Oliveira e Carlos Humberto, informaram que na manhã deste sábado estavam no comitê da Quinta Avenida no Bairro dos Municípios fazendo plotagens de carros, quando o local foi invadido por um candidato a vereador, fazendo gestos e ameaças de puxar arma de fogo. Cabos eleitorais da oposição também proferiram xingamentos a todos que estavam no interior do comitê trabalhando.
Logo depois, mais um rapaz, que relataram ser filho do vereador, tentou invadir o comitê e agrediu um dos integrantes da equipe. Outras pessoas ajudaram a separar e tirá-los do local, como o próprio vídeo mostra. Também foi fechado o portão do comitê para resguardar a segurança das mulheres e crianças que estavam lá.
A coligação registou um boletim de ocorrência e tomará as medidas cabíveis.”

O que diz o vereador 

Em conversa por telefone, o candidato entendeu que há todos os tipos de provocações no período eleitoral, mas quando se trata de algo envolvendo a sua família, acaba tornando a discussão “visceral” o que e fez com que ele revidasse ao ataque.

A reportagem, Nilson enviou a seguinte nota.

“Na manhã de hoje, sábado, 31 de outubro, lamentavelmente fui envolvido numa confusão na quinta avenida de Balneário Camboriú, em frente ao comitê do candidato Fabrício Oliveira.
Infelizmente, enquanto eu, minha família e um grupo de mulheres que são nossas apoiadoras passávamos em frente ao comitê do candidato oponente, numa caminhada pacífica, fomos provocados por apoiadores do mesmo, da mesma forma que na semana passada já havia ocorrido numa caminhada que fizemos no bairro das Nações. Dentro do contexto dos gritos e palavras de baixo calão, eu e meu filho ouvimos palavras dirigidas as mulheres da nossa família e também as demais apoiadoras do MDB.
Aceito a disputa política e compreendo que a exaltação faça parte destes momentos, mas, como pai e marido, não posso aceitar calado nem ver meus filhos e minha esposa sendo ofendidos de forma grosseira, nem muito menos outras mulheres que estavam conosco. Além de insultar nosso grupo político, em dado momento estas mesmas pessoas passaram a me ofender pessoalmente, direcionando a mim as provocações ofensivas.
Lamento o ocorrido. Tive uma semana tensa e conturbada depois que tive meu carro seguido e meu assessor ameaçado por um individuo que supostamente estava armado e que ainda não foi identificado. Minha prioridade é defender minha família sobre qualquer aspecto. Não aceitarei nenhum tipo de ofensa contra minha esposa, contra meu filhos, nem contra mulheres amigas minhas de longa data e que estavam ali de forma voluntaria fazendo campanha para nossa legenda.
Há de ser observado que o comitê do candidato Fabricio Oliveira na quinta avenida fica a menos de 30 metros do comitê do nosso candidato a prefeito, Edson Piriquito. Via de regra, estes espaços e momentos deveriam ser respeitados e respaldados pela lei eleitoral, mas não é a compreensão dos apoiadores do candidato oponente.
Posteriormente a confusão fiz um boletim de ocorrência relatando os fatos e providências judiciais serão tomadas.
No mais, seguimos em campanha, com fé que temos coisas mais importantes a conquistar que perder nosso tempo e energia com pessoas tão baixas e incapazes de compreenderem os limites de respeito num processo político eleitoral.”
Comente Abaixo