Novas 10 milhões de doses da vacina de Oxford devem chegar da Índia em fevereiro

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) negocia com o Instituto Serum, da Índia, a aquisição de mais 10 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca contra a covid-19. Na última sexta-feira (22), dois milhões de doses do imunizante chegaram ao Brasil.

Segundo a fundação, as negociações ainda estão em andamento e não há prazo para uma resposta. Caso as negociações sejam bem sucedidas, o Brasil terá 12 milhões de doses da vacina de Oxford. A produção do imunizante ainda não começou no Brasil.

Cada pessoa deve tomar duas doses da vacina para estar imunizada. A farmacêutica AstraZeneca, que coordenou os estudos sobre a vacina junto à Universidade de Oxford, recomenda que o intervalo entre as doses seja de até 12 semanas.

Primeira remessa

As doses que já estão no Brasil começaram a ser distribuídas aos municípios para que entrem no programa de imunização contra a covid-19.

Essas doses foram produzidas pelo laboratório indiano Serum e compradas pelo Ministério da Saúde. Futuramente, a Fiocruz deverá produzir a vacina em seus laboratórios no país.

Além dos dois milhões de doses da vacina de Oxford, já foram disponibilizadas para os estados seis milhões de doses da vacina CoronaVac, importadas da China pelo Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo.