O castelo de muros altos em Balneário Camboriú

Se eu tivesse o direito de fazer um pedido em prol da cidade e realizar esse meu desejo, eu pediria:

“Puxas de plantão, saiam de perto do Prefeito” 

Não é de hoje que tenho falado em minhas colunas, sem nenhum efeito surtido, que o prefeito Fabrício Oliveira vive em uma redoma mantida por puxa sacos que vivem em função de blindar o prefeito de todos os problemas que possam chegar até ele. É um castelo de muros intransponíveis.

A função desta casta de puxa-sacos é dizer o quanto o prefeito é lindo, como os cabelos dele estão sedosos, o quanto as pessoas amam ele e o quanto ele é demais. Recentemente, esta mesma casta tem se empenhado em alimentar o desejo de Fabrício dizendo que os olhos dele são mais lindos que os do Moisés e que ele é o mais cotado para amanhecer olhando para a Beira Mar Norte de Floripa, das janelas da Casa d’Agronômica.

Enquanto Fabrício se ilude com o mundo pintado por seus puxas, onde a realidade é bem diferente, e se deslumbra com o alargamento da faixa de areia, achando que isso fará dele governador, a cidade clama por atenção do poder público.

Não era fake

Na quinta passada publiquei sobre a entrada de José Augusto Gayoso na comunicação da prefeitura. Foi uma das poucas vezes que publiquei algo que eu sabia que era verdade, mas torcia para que fosse fake news e eu tivesse dado uma barrigada.

Eu não poderia acreditar que em plena pré-temporada de verão, onde a comunicação é peça fundamental não só para o governo, mas também para os veículos de imprensa, e Fabrício estaria preocupado em apadrinhar alguém que pudesse projetar o seu nome pelo estado na ideia de ser governador.

Pior que hoje, 07, o release da prefeitura que anunciava o novo nome da comunicação trouxe uma fala de Fabrício que confirma exatamente o que eu pensei.

“Gayoso tem muita experiência na área de Comunicação e vem somar a nossa equipe. Com a projeção que Balneário Camboriú alcançou por conta da obra de recuperação da faixa de areia da Praia Central, e da expectativa de uma supertemporada, houve a necessidade de reforçar a equipe, que faz muito bem o trabalho de divulgação dos atos de governo à população e da cidade aos diversos públicos”, pontuou o prefeito Fabrício Oliveira.” , dizia o release.

Em outras palavras, Fabrício não está nem ai para a “supertemporada”. Se estivesse, teria reforçado a equipe que vai pra rua e lida diariamente com a imprensa. Mas preferiu alguém para levar para os “caciques” da comunicação do estado o feito do alargamento no seu governo, tudo para se promover na utopia de ser governador do estado.

O “homem da comunicação”, como o próprio Gayoso se intitulou, não vai postar material no site, nem publicar release para imprensa e muito menos madrugar para fotografar evento na cidade e acompanhar o corre-corre da agenda do prefeito. A função será somente promover o novo chefe.

E a imprensa local? Ah… que se dane! Para que dar importância para a imprensa local se tem “formadores de opinião” do estado na mão? Afinal, conseguir uma fala do prefeito pelos pequenos veículos, hoje em dia, é quase impossível. Nem minha mensagem para confirmar a nova nomeação o prefeito respondeu.

Deslumbre

Enquanto Fabrício vive o deslumbre de regar o jardim da residência oficial na Beira Mar Norte, a cidade segue largada.

A “supertemporada” (de onde tiraram isso?), não tem nem decoração de Natal, como o Visse já trouxe aqui. Sim, a decoração era para estar pronta há um mês e o que tem instalado está todo capenga, nos molhes sul e norte.

Enquanto isso, o Elevado está incompleto e nenhuma satisfação é dada com certeza do que está acontecendo ou quando vão terminar.

Enquanto isso, a cidade está com dezenas de pontos de escuridão, inclusive na Atlântica,  porque a COSIP não faz o trabalho dela.

Enquanto isso, o deck do pontal norte segue no escuro, fechado para quem queira ir a noite, pois a prefeitura não é capaz de manter a iluminação, estrutura e segurança no local.

Enquanto isso, andarilhos se amontoam sob as marquises e atormentam a vida dos cidadãos de bem que circulam pela cidade. Isso sem contar os drogados que consomem nas ruas as drogas compradas na Atlântica.

Eu nem vou falar na fila de exames na saúde, ou a bagunça que está a secretaria de educação, ruas largadas, as pedradas que a segurança leva sem que o governo reaja, e por ai vai.

Tudo isso é para a “supertemporada”? Ou será que o prefeito não circula por esses locais e segue apenas deslumbrando o quanto a praia ficou grande?

Está na hora de pegar o seu carro e circular na cidade, prefeito. Não confie naqueles que só te falam coisas lindas. Você pode ser traído pelo próprio ego e pelos puxas que te blindam.



O castelo de muros altos em Balneário Camboriú

Poucas e Boas – Por Gian Del Sent 

Publicidade