O início da temporada dos “prés”. A festa dos estagiários na PMBC. O caso da GM

A coluna de hoje quero fazer um pequeno apanhado de alguns assuntos que surgiram nos últimos dias. Confesso que é bastante coisa para falar e quero sintetizar da melhor maneira possível.

Começou a temporada dos “Prés”

Estamos a 14 meses das eleições e, por incrível que pareça, já começou a temporada dos pré-candidatos a tudo quanto é coisa aqui na região. Alguns não conseguiram se eleger nem vereador, mas acham que como deputados estaduais/federais terão um caminhão de voto. Tem outros que lançam uma candidatura só para dizer “Oi, estou vivo”. No fim das contas, maior parte não faz nem para o sal da sopa.

O que causou surpresa, não por se candidatar a algo mas pela maneira que foi anunciado, é o prefeito de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira (Podemos). Anunciado por colunistas e jornalistas do Sul do Estado, causou estranheza aqui na cidade o fato de Fabrício ter colocado seu nome a disposição para o governo do estado. A imprensa local não gostou muito, principalmente depois que saiu uma nota oficial dizendo que ele foi atrás de investidores.

Pré-candidato 

Um dos principais assuntos abordados por Fabrício em suas entrevistas lá pras bandas de Criciúma, foi o alargamento da faixa e areia. Não foi uma e nem duas, mas várias vezes que falei que o alargamento é muito pouco para se tentar algo a nível estado e Fabrício apostar todas as fichas nessa única obra, seria um tiro no pé. Ainda mais com muita obra pela metade no resto da cidade.

Um vice? Quem sabe, com um nome forte na cabeça e uma boa base. Jorginho teria tentado algo nesse sentido, mas o assunto deu tanto rolo que respingou até na eleição da Câmara. Eu ainda acredito que Fabrício só está “pegando preço” para qualquer outra coisa. A política tem disso. E ele vai ter que gastar sapato, pois a situação não está aquela maravilha toda.

O que acho difícil mesmo é Fabrício largar a prefeitura na mão do vice Carlos Humberto. O vice inclusive que depende da decisão de Fabricio para saber se concorre ou não para a “Leléia” do Estado. Muita coisa pode rolar nos próximos dias.

A festa dos estágios

Essa semana ouvi de uma pessoa do governo que faltava estagiários num determinado departamento e por isso estava difícil os trabalhos. É difícil entender que falte estagiário numa prefeitura com mais de 5000 efetivos e quase 300 comissionados.

No mesmo dia, recebi uma denúncia de que uma estagiária da secretaria de obras estaria trabalhando em 3 lugares diferentes e que no fim das contas acabava não trabalhando direito em lugar algum. Checando a informação, descobri que a mocinha é estagiária na secretaria de obras e também na Compur (carinhosamente chamada de BC Investimentos).

A denúncia diz que ela também é contratada pela Azul Prestadora de Serviços, empresa terceirizada da prefeitura para o paisagismo. Embora uma fonte minha me confirmou que ela também seja contratada pela empresa privada para ter um “plus” no salário, não consegui confirmar se é verdade.

Mas digamos que ela faça suas 5 horas na Compur e mais 5 na Obras, são 10 horas de trabalho por dia. Êta estagiária competente hein? Se for contratada da Azul, então ela é quase um Highlander.

A denúncia que recebi é que uma segunda estagiária, essa de engenharia, também era contratada pela empresa Azul para ter “plus” no salário. Porem a empresa não fornece informações de seus colaboradores. Pozagora.

A politicagem no caso da GM
Para este assunto, reproduzo o texto publicado na minha coluna Ácido Úrico no Portal Menina nesta quarta(09). 

A atitude de uma laranja podre, que teve repercussão nacional, envergonhou a cidade. O poder público municipal disse que já tomou atitudes sobre o caso e espero mesmo que o resultado venha logo. O que não aguento, é a politicagem que está sendo feita em cima disso. Além de vereadores que se aproveitam de tudo para dar o seu toque de demagogia, teve uma que destaco.

O sumidinho ex-prefeito Piriquito quis fazer notinha sobre o caso em rede social. De acordo com a fala dele, parece que a GM em seu governo era um grupo de escoteiros de tanta educação e cordialidade. HIPÓCRITA. Eu lembro bem do caso do adolescente de 15 anos espancado em um banheiro de quiosque por guardas que “acharam” que ele estava envolvido em uma briga. Sua memória é seletiva, senhor Edson Renato, a minha não é. Vai arrumar um emprego para ocupar a cabeça.

Silêncio

E a procuradoria da Mulher na Câmara? Nenhuma nota? Nenhuma fala? Já não chega a OAB só se manifestar no final da segunda-feira? A procuradoria não fez nada sobre o assunto? Se reuniu essa semana, fez até notícia e várias fotos sobre o evento, mas nenhuma palavra sobre a mulher agredida.

O PDT fez uma nota, o vereador Patrick deu uma nota como partidário, como político, mas não deu um pio como presidente da Comissão de Segurança Pública e Defesa do Cidadão na Câmara.

Esse silêncio é ensurdecedor.


O início da temporada dos “prés”. A festa dos estagiários na PMBC. O caso da GM
Poucas e Boas – Por Gian Del Sent