O que o Governo Federal está fazendo para ajudar atingidos pelas enchentes na Bahia?

A atuação do governo federal para consertar os estragos das enchentes na Bahia e atender à população atingida pelas cheias estão sendo alvo de críticas da oposição e do governo do estado.

O presidente Jair Bolsonaro vem sendo cobrado por ter viajado de férias para Santa Catarina na segunda-feira (27), onde irá passar a virada do ano, em meio ao drama na Bahia.

Mas, na terça-feira (28), uma comitiva de ministros esteve na Bahia, onde sobrevoou áreas atingidas pelas cheias e anunciou medidas de ajuda – tais como o envio de equipes médicas. E Bolsonaro autorizou a liberação de R$ 80 milhões para a reconstrução de estradas baianas.

Apesar disso, o montante foi criticado pelo governador Rui Costa (PT), que considerou a ajuda insuficiente. Mas o governo federal informou que pode ampliar os recursos após haver um diagnóstico mais preciso das necessidades do estado.

Alagamentos e estragos

Até o momento, cerca de R$ 19 milhões já foram disponibilizados pela Defesa Civil Nacional para ações de resposta ao desastre natural e reconstrução de infraestrutura danificada.

“São muitas perdas, perdas do comércio, pessoas que perderam seus estoques e perdas também entre as famílias, as pessoas mais necessitadas que, no geral, moram em lugares de risco e tem perdido tudo, de colchão ao fogão. É importante nesse momento que a gente una esses esforços com alimentos, medicamentos, água potável, transporte, energia elétrica que tem faltado em alguns lugares que têm ficado isolados.”, disse o ministro João Roma.

No domingo (26/12), o ministro da Cidadania esteve em Ilhéus e também visitou o município de Nazaré da Farinhas onde viu de perto os estragos causados pelas fortes chuvas.

Recursos para infraestrutura

Um crédito extraordinário de R$ 200 milhões foi destinado pelo Governo Federal para a reconstrução de rodovias federais danificadas pelas chuvas intensas que atingem algumas regiões do país. Os recursos vão para a Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Pará e Amazonas. O crédito está previsto em medida provisória publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (28).

O secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, detalhou a aplicação do recurso na Bahia. “Vamos ter o recurso necessário para revisitar os aterros que tivemos muito deles submersos por dias e isso gera um risco grande. A questão de deslizamento nas encostas, a construção, de curto prazo, de desvios para manter o fluxo normal, na medida do possível”, disse Marcelo Sampaio ao participar de entrevista coletiva em Ilhéus.

Ele ressaltou que os esforços são para prover a população da Bahia de infraestrutura e segurança. “Estamos trabalhando firme com a orientação do nosso ministro Tarcísio [Tarcísio Gome de Freitas, ministro da Infraestrutura] para manter a mobilidade, o acesso e o direito de ir e vir da população. Isso é extremamente importante para que a própria Defesa Civil possa fazer o trabalho de chegar aos principais pontos onde temos a população em situação de risco”, afirmou.

Atuação conjunta

Desde o início das fortes chuvas no sul da Bahia e no norte de Minas Gerais, o Governo Federal instituiu uma força-tarefa formada por ministérios e órgãos governamentais.

A Força-tarefa do Governo Federal é formada pelos ministérios do Desenvolvimento Regional; da Cidadania; da Defesa; da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; da Saúde; da Casa Civil da Presidência da República; pelo Pátria Voluntária; pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel); pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT); e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Politicagem

Nesta quarta-feira (29), por meio do Twitter, Marinho subiu o tom contra as críticas ao governo federal pelas ações referentes às enchentes na Bahia. Sem citar a quem ele se referia, Marinho escreveu:

“É vergonhosa a politização às custas das vítimas das chuvas na Bahia. Desde novembro, o Governo Federal trabalha na região, tecnicamente, coordenando a assistência, apoiando os municípios na elaboração dos pedidos e liberando recursos. Virou vale tudo para atacar Jair Bolsonaro”.

O ministro do Desenvolvimento Regional havia sido um dos quatro que sobrevoou na terça-feira (29) áreas atingidas pelas enchentes e que esteve presente no anúncio da destinação de recursos para o estado, na terça. Além de Marinho, viajaram à Bahia os ministros da Cidadania, João Roma; da Saúde, Marcelo Queiroga; e da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. O secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, foi outra autoridade a completar a comitiva do governo.

Publicidade