Opinião: Piriquito diz que vai expulsar 3 vereadores do MDB

Mesmo em frangalhos e respirando por aparelhos, o MDB de BC tenta seu grito de misericórdia, mais uma vez.

No final da tarde deste sábado, o ex vereador pelo PSDB e atual MDB, Dão Koeddermann, fez uma live falando sobre a reunião da executiva municipal para a eleição do novo presidente da sigla na cidade.

“Entrevistando” Edson Piriquito, o ex-prefeito voltou a afirmar que iria expulsar 3 vereadores da sigla por uma suposta infidelidade partidária. Não é a primeira vez que Piriquito faz esta afirmação.

Os vereadores que o ex-prefeito cita, são Marcos Kurtz, Roberto de Souza Júnior e Arlindo Cruz, todos da base do atual governo na Câmara. Piriquito, que já foi também do PP, diz que o objetivo é fazer a cidade “sorrir novamente”, e fazer Balneário Camboriú ser “como era antes”.

Reflexão

Quando Piriquito fala em Balneário ser “como era antes”, ele fala do quase irreversível inchaço da máquina pública que ele promoveu, dos escândalos de corrupção, do aparelhamento político que garantiu sua reeleição ou de meio mundo preso durante sua gestão?

Piriquito fala muito, mas ainda não se manifestou, com argumentos decentes, sobre a Operação Trato Feito, na qual ele é réu, e que levou a prisão de empreiteiros, empresários, secretários e servidores por indícios de corrupção e superfaturamento em obras. Ele se resume a dizer que “nada tem” contra ele e que a justiça vai cuidar disso. Mas ele esquece que o processo agora é público e até mesmo as provas estão disponíveis para o cidadão comum.

Isso sem contar da investigação do MP sobre várias outras questões, inclusive a construção da UPA do Bairro das Nações , que foi construída com dinheiro federal, totalmente alterada durante a execução, e que até hoje ainda não conseguiu funcionar.

O mais engraçado é Dão Koeddermann falar em fidelidade partidária em coro com Piriquito. Em Janeiro de 2011, Dão disse que estava pensando em sair do PSDB, pois tinha se sentido “desprestigiado”, mesmo tendo sido eleito em 2008 com 2146 votos e foi para o PSD. Quando ele viu que Piriquito, pendurando indicados até no teto, se encaminhava para a releição, ele foi para o PMDB e viu o trem 2016 passar, sem se eleger, com 598 votos. E como prêmio de consolação pela sua ida para o MDB, ganhou uma secretaria pra chamar de sua.
(parágrafo corrigido com os anos corretos)

Expulsando os 3 vereadores, e levando em consideração a eleição de 2016, o MDB perde, por baixo, 3700 votos. E na atual situação, é voto pra caramba.

Como diria um ex-correlegionário do MDB, atualmente vivendo carreira solo, “Agora que se acaba de vez”.

 

 

Comente Abaixo