Polícia Legislativa da Câmara conclui que não houve “quebra de segurança” no apartamento de Joice Hasselmann

A conclusão da Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados no episódio dos ferimentos da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) é de que “não houve quebra de segurança”.

A Polícia Civil do DF também investiga o caso. Mas, até o momento, não se descarta que Joice tenha caído ou se acidentado sozinha. Foram recolhidas imagens das câmeras do prédio onde ela mora, na 302 Norte, no domingo em que a deputada acordou machucada, nos dias que antecederam o ocorrido e depois. Nada foi encontrado.

De acordo com uma nota publicada pela Câmara, “cabe ao procurador oferecer ou não denúncia” ao Poder Judiciário. O texto não esclarece contra quem seria oferecida a denúncia.

Foram analisadas 16 câmeras de segurança e a conclusão é de que ninguém suspeito acessou o prédio pelas áreas vigiadas pelos equipamentos avaliados, de com informações obtidas pelo blog. “O Depol já enviou o inquérito acerca do caso para o Ministério Público Federal. Caberá ao Procurador da República oferecer ou não a denúncia à Justiça Federal”, destaca a nota.

“A Câmara esclarece que há segurança nos locais onde se localizam os apartamentos funcionais dos parlamentares. Os prédios possuem vigilância armada e porteiros, ambos 24 horas por dia, 7 dias por semana. Além disso, há câmeras de segurança e rondas ostensivas, com viatura caracterizada”, completa o texto.

Além da análise das imagens, funcionários do prédio e de edifícios vizinhos foram ouvidos.

A parlamentar apresenta cinco fraturas no rosto, uma na costela e uma lesão superficial na parte de trás da cabeça, que teriam sido feitas no dia 18 deste mês, durante a noite.

Joice diz descartar hipótese de violência doméstica e alega que pode ter sido vítima de um atentado com pretensões políticas. No entanto, também não afasta a possibilidade de ter sofrido uma queda.

A Polícia Civil do DF também investiga o caso e realizou perícia no apartamento nesta terça-feira. A corporação teve acesso a um objeto que não estaria no apartamento no dia do fato ou nas datas anteriores.