Polícia prende “Serial Killer” do litoral de SC

A Polícia Civil prendeu um homem de 37 anos, apontado como serial killer, acusado de cometer assassinatos em Santa Catarina e no Paraná. Ele assassinou a mulher, a mãe e dois homens. O homem estava foragido e a prisão foi realizada em cumprimento a um mandado expedido no dia 20 de setembro, em Porto União, no Norte catarinense.

Wildney Bankersen já havia sido condenado a 22 anos de prisão por homicídio qualificado por motivo fútil e asfixia, em função da morte da mulher em 2013. O júri foi realizado no dia 27 de agosto deste ano, sem a presença dele, que respondia em liberdade.

De acordo com o delegado Ricardo Melo, a investigação analisa a relação da autoria dos crimes. “Nós estamos qualificando ele como um eventual ‘serial killer‘, em função da série de mortes e do vínculo de proximidade que o autor tinha com as vítimas, esposa, mãe e pessoas que tentaram ajudá-lo e abrigá-lo. São contextos e fatos parecidos em todas essas mortes”, disse.

Conforme o delegado a prisão foi realizada a partir da troca de informações entre o Setor de Investigações e Capturas da Delegacia de Porto Belo e da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Porto União.

O criminoso foi encaminhado para o Presídio de Porto União.

Assassinatos

No dia 29 de março de 2013, a mulher de Wildney foi morta em casa, no bairro Perequê, em Porto Belo. Wildney acionou a polícia, alegando que a vítima tomava remédios fortes e teve uma parada cardíaca.

No dia 8 de junho de 2015, ele apareceu como suspeito de matar a própria mãe, no bairro Morretes, em Itapema. Ele acionou os bombeiros porque teria chegado em casa e encontrado a mãe morta.

Havia sangue nas roupas dele, que alegou ter feito respiração boca a boca na vítima. Também havia marcas de defesa no braço do homem. A participação do padrasto dele no crime também é investigada pela Polícia Civil.

Em julho de 2015, ele foi preso preventivamente pela Polícia Civil de Porto Belo, em função do homicídio cometido contra a mulher, mas foi solto para aguardar ao julgamento em liberdade.

No dia 15 de março de 2018, o corpo de um homem, identificado como Elio Sauressing, foi encontrado em estágio de decomposição, há mais de 30 dias morto, no bairro Perequê em Porto Belo. Depois foi identificado que a vítima estava dando abrigo para o suspeito e ele havia fugido para o Paraná.

No dia 12 de junho de 2018, houve ainda mais um homicídio em União da Vitória (PR), onde Wildney também foi preso, mas depois foi liberado e respondia pelo crime em liberdade. A vítima era o dono da pousada onde Wildney morava.
Ele matou o dentista Gilberto Schumann, 53, a facadas e depois pôs fogo no estabelecimento que fica no centro da cidade paranaense.

G1 SC / Vvale

Comente Abaixo