Polo de férias recebeu crianças mesmo após monitora testar positivo para covid-19

Foi denunciado ao Jornal Linha Popular que o polo de férias municipal no Caic Jovem Ailor Lotério, no bairro Monte Alegre, em Camboriú, estaria aceitando crianças do berçário mesmo após a monitora da turma ter sido diagnosticada com covid-19. A secretária de Educação Maria Alice Pereira confirmou que algumas crianças da turma em questão têm sido recebidas após “acordo” com os pais e responsáveis.

Este acordo vai contra o Plano de Contingência da Educação (PlanCon Edu) do município. O documento determina que todas as pessoas da comunidade escolar que tiveram contato direto com caso suspeito ou confirmado de covid-19, mesmo que não apresentem sintomas, devem manter isolamento social pelo tempo que for determinado após consulta na unidade de saúde.

Em Camboriú, é possível oficializar a denúncia do descumprimento do Plancon-Edu através do Ministério Público, Polícia Militar ou Vigilância Sanitária do município.

Maria Alice disse que conversou com os pais e eles aceitaram deixar as crianças, mesmo após o caso positivo da doença. “Alguns não têm com quem deixar as crianças, então o CEI aceitou elas em outras turmas para os pais conseguirem trabalhar”, disse a secretária.

Ela ainda justificou que a estrutura dos polos é para atender de 15 a 20 crianças por turma. E tem ido de 5 a 6 por sala. Por isso, não haveria problema em remanejar as crianças.

Privilégio 

A denúncia também acusa a Educação de privilegiar o afilhado do prefeito de Camboriú, Elcio Rogério Kuhnen (MDB). Segundo relato, a criança é aluna da turma que teve a monitora positivada para a covid-19. A equipe da creche teria sido obrigada a receber a criança, mesmo após o caso da doença.

O afilhado possui Transtorno do Espectro Autista (TEA) e por isso teria tido contato direto com a monitora.

Jornal Linha Popular