Preços do petróleo atingem máximas em três anos com oferta limitada

Os preços do petróleo atingiram máximas em vários anos nesta segunda-feira (25), antes de se estabilizarem, com a oferta global apertada e o fortalecimento da demanda de combustível nos Estados Unidos, além dos preços sustentados.

Os futuros do Brent ganharam US$ 0,46, para fechar em US$ 85,99 o barril. O contrato atingiu a máxima da sessão de US$ 86,70 o barril, também a máxima desde outubro de 2018.

Os futuros do petróleo dos EUA (WTI) permaneceram inalterados em US$ 83,76 por barril, após atingirem US$ 85,4 por barril, a máxima desde outubro de 2014. A diferença é que na época o dólar estava na casa dos R$ 2,50

Ambas as benchmarks subiram cerca de 20% desde o início de setembro. O petróleo dos EUA subiu por nove semanas consecutivas, enquanto o Brent subiu por sete.

“A crise no fornecimento global de energia continua mostrando seus dentes, à medida que os preços do petróleo estendem sua marcha de alta esta semana, um resultado dos preços dos traders no aumento contínuo da demanda de combustível – que em meio à resposta limitada da oferta está esgotando os estoques globais”, disse Louise Dickson, analista sênior de mercados de petróleo na Rystad Energy.

O Goldman Sachs informou que uma forte recuperação na demanda global de petróleo pode empurrar os preços do Brent acima de sua previsão de fim de ano de US$ 90 o barril. O banco estimou que a troca de gás para petróleo poderia contribuir com pelo menos 1 milhão de barris por dia (bpd) para a demanda de petróleo.

Depois de mais de um ano de queda na demanda de combustível, o consumo de gasolina e derivados está de volta à média de cinco anos nos Estados Unidos, o maior consumidor de combustível do mundo.