Prefeitura de Camboriú quer gastar R$ 1 milhão em propaganda

A Prefeitura de Camboriú lançou no final do mês de junho uma licitação para contratar agência para realizar os serviços de propaganda e distribuição de mídia para veículos de comunicação. O edital tem o seguinte título:

CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE PROPAGANDA QUE SE COMPÕE DE PLANEJAMENTO, CRIAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, VEICULAÇÃO E CONTROLE DE CAMPANHAS PUBLICITÁRIAS, PROMOÇÕES, MATERIAIS DE DIVULGAÇÃO, PRODUÇÃO GRÁFICA E ELETRÔNICA, PROJETOS PUBLICITÁRIOS, EVENTOS E OUTROS SERVIÇOS NECESSÁRIOS PARA AS AÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMBORIÚ REALIZADAS PELA ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM O BRIEFING 001/2022 E ESPECIFICAÇÕES CONSTANTES NO EDITAL.

O termo “propaganda” me incomoda, afinal, geralmente é para isso que o poder público envia peças comerciais para veículos de comunicação. Não é só o ato de “propagar”, é fazer propaganda mesmo. Me incomoda pois na Constituição Federal o ato de divulgar ações do poder público é chamado de “publicidade”, o que é bem diferente de propaganda.

O termo “promoção” também me incomoda, pois a mídia do poder público também está longe de “promover” ações. Tanto é verdade que os veículos que recebem mídia da prefeitura são escolhidos a dedo, mesmo que não paute notícias da cidade, e existe uma certa “pressão” para que o veículo contemplado “ajude” o governo municipal.

Para deixar bem claro, o Portal Visse recebeu uma única mídia da Prefeitura de Camboriú em sua história, na campanha de IPTU de 2018, no valor de R$ 800,00 bruto. Mesmo que o próprio portal tenha tomado a decisão de não receber mais nenhuma publicidade da prefeitura de Camboriú, também nunca recebeu nenhum tipo de cotação para campanha. O motivo é claro, o Portal Visse traz para o conhecimento do povo as peripécias deste governo desastroso, e isso incomoda os governantes e torna o Portal “nom grato”. Tem quem diga que é porque o Portal Visse não cobre Camboriú. Engraçado.

A cidade de Camboriú tem hoje três jornais digitais ativos. Um deles só entrou nas mídias da prefeitura depois de 2020 com valores superiores a outros com maior audiência, o que é estranho. Há ainda outros veículos digitais e impressos que atingem a população local e é legal essa publicidade.

Mas não me entra na cabeça porque anunciar em jornalzinho impresso de Itajaí que sequer tem periodicidade, site de Porto Belo ou rádio de Itajaí e Brusque. Ou veículos digitais que não publicam nada sobre Camboriú. Tem ainda revista de colunista social. Qual o interesse público nisso?

Se com uma verba de aproximadamente 300 mil reais, somente uma pequena casta de “parceiros” é beneficiada, sem cumprir com o real objetivo que é a transparência da coisa pública, por que comprometer 1 milhão de reais da arrecadação com “propaganda” em meio a essa ingerência toda? Para ser “carregado no colo” por alguns veículos que chegam a passar vergonha com tamanha parcialidade nos posicionamentos?

Continuo apoiando que o poder público tem sim que investir em publicidade. Acho que 1 milhão é bom para Camboriú, assim como a atual licitação de Balneário Camboriú também tem um valor justo. Mas que façam bem feito e contemplem sem parcialidade e nem direcionamento aos “amigos do rei”, como vem acontecendo nos últimos anos na cidade. Respeito com o dinheiro público, é o mínimo que se espera.


Prefeitura de Camboriú quer gastar R$ 1 milhão em propaganda
Poucas e Boas – Por Gian Del Sent

Publicidade