Rio Camboriú é um dos mais poluídos da região

A segunda etapa do monitoramento dos principais rios de Santa Catarina, realizado pela SDE (Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável) mostra que 40% dos rios apresentaram uma piora na qualidade da água desde o último levantamento, realizado em março.

É o que aponta o Boletim Qualiágua SC baseado na campanha de monitoramento da qualidade das águas do segundo trimestre de 2022, referente a junho.

Os pontos monitorados estão localizados em vertentes de rios em vários municípios catarinenses e os que apresentaram o maior Índice de Qualidade da Água (IQA) estão em Paulo Lopes (P37 e P38), seguido de São João do Sul (P33) e Gravatal (P23).

O ponto de Camboriú (P40), que apresentou condições de qualidade comprometidas em relação ao IQA na campanha anterior, teve a classificação razoável.

Rios com maior poluição

O maior nível de poluição das águas está concentrado na Bacia do Itajaí, onde nove pontos (60%) apresentaram desconformidades.

O rio Itajaí Mirim e o rio Camboriú, nos municípios de Brusque e Camboriú, respectivamente, têm os piores índices de qualidade da água, com apenas um ponto acima do patamar considerado ruim, que começa em 50.

O principal indicador que derruba a qualidade da água é o índice de coliformes.

Apesar de o nitrato não ter sido encontrado em concentração acima dos limites estabelecidos neste levantamento, ainda é um indicador que pode variar conforme o calendário agrícola do Estado. O ponto de maior concentração foi visto em Braço do Norte.

A maior parte dos pontos analisados foram classificados como razoáveis. Entre os pontos com classificação boa, o ponto localizado em Tubarão teve o melhor IQA, com 89. Neste local o valor de coliformes ficou abaixo do limite de quantificação pela primeira vez, desde o início da série histórica, em 2019.

Publicidade