Secretaria de Turismo de BC: Site está fora do ar e há contratação suspeita

Balneário Camboriú precisa urgentemente de um gestor e de uma equipe qualificada para a Secretaria de Turismo. A pasta da principal matriz econômica da cidade está largada as traças.

O novo secretário de Turismo começa nesta segunda-feira com um grande desafio: Qualificar a equipe e dar o devido valor a pasta da principal matriz econômica da cidade que, nos últimos anos, foi deixada em segundo plano pelo poder público.

Site fora do ar

O principal portal de informações turísticas da prefeitura de Balneário Camboriú está fora do ar. O motivo? Incompetência!

O registro do domínio secturbc.com.br expirou (venceu) no dia 03 de janeiro e ainda não foi pago. Com isso, o domínio está congelado, deixando o site da Sec. de Turismo fora do ar. O registro é pago anualmente para que se tenha direito de usar o endereço na internet e custa R$ 40,00 por ano (no caso de .com.br).

Em pesquisa, a reportagem do Portal Visse ainda verificou que o domínio sequer está registrado em nome da prefeitura ou do Fundo Municipal de Turismo. O site está registrado no nome de uma empresa de serviços de internet de Itajaí. O domínio foi registrado há quase 21 anos e NUNCA foi transferido para o CNPJ do poder público.

Outro fato interessante é que o domínio foi alterado, incluindo os servidores de uma nova hospedagem contratada, uma semana antes do contrato ser assinado com a contratada. O registro foi alterado dia 18/01 e o contrato (assim como o empenho da despesa) é do dia 25 de janeiro.

Contratação Suspeita 

Esta semana foi contratada uma empresa, através de compra direta (sem licitação), para prestar o serviço de hospedagem do site da Secretaria de Turismo. Hospedagem é o serviço de armazenamento de arquivos do site e de emails na internet.

O valor pago, de R$10.800,00 por um ano, em parcelas de R$ 900,00 por mês, está muito acima do praticado no mercado, levando em conta o fato de ser um único site para uma única secretaria, sem uma demanda absurdamente grande. A empresa contratada é a Sacenti Design, que tem sede na cidade de Rio do Sul, Santa Catarina.

Em pesquisas na internet, foi possível encontrar planos de hospedagem, desta mesma empresa, com valores que não chegam nem a 5% do valor cobrado da secretaria de turismo.

A reportagem do Portal Visse teve acesso ao contrato firmado entre o Fundo Municipal de Turismo e a empresa Sacenti Design onde constatou que, além do valor alto, não é descrito claramente qual o objeto do contrato.

No documento não está descrito:

– qual o espaço de armazenamento?
– qual a tecnologia usada?
– há banco de dados? Quantos e qual espaço?
– tem e-mails?
– qual a largura de banda?
– tem backup?
– quais os requisitos de segurança que são usados na hospedagem, tendo em vista que se trata de um site do poder público?

O contrato se resume a informar que é uma “hospedagem de arquivos do Website”.

Levando em consideração a falta de informações no contrato, é possível entender que a contratada foi “escolhida a dedo”, pois ela saberia o que a secretaria precisa e o ela deve fornecer, sem que fosse preciso especificar em contrato.

A reportagem também pediu os 3 orçamentos que deveriam acompanhar a compra direta, mas os mesmos não foram fornecidos pela Secretaria de Turismo da Prefeitura.