Servidores de Camboriú entram em greve a partir de amanhã (10)

Após a reunião com o executivo realizada na tarde desta quarta-feira, 09, os servidores sindicalizados de Camboriú se reuniram na noite de hoje para decidir sobre aderir ou não a greve.

Após apresentação dos assuntos levantados na reunião por membros do Sisemcam, os presentes decidiram por deflagrar a paralisação a partir de amanhã, ás 13:30 horas. A educação, uma das pastas mais afetadas pela greve, funcionará normalmente na parte da manhã, para que os pais e alunos sejam informados.

Os servidores reivindicam os reajustes anuais dos salários baseado no IPCA e o reajuste compatível ao repasse do FUNDEB aos profissionais de Educação. Na segunda-feira (07), o sindicato já havia notificado a prefeitura, com aviso de que os servidores fariam greve na quinta-feira (10).

Em nota publicada na noite de hoje, após a reunião, a prefeitura disse propôs que as negociações permaneçam para que se possa formalizar um acordo que englobe todos os servidores, mas que a proposta seria apresentada só na próxima semana.

Proposta inicial

A proposta apresentada pelo executivo na reunião de hoje foi enviar um documento na próxima segunda-feira (14), com um plano de aumento real para o quadro geral, com índices que variam de 50 a 80% de reajuste. Já para o magistério, que representa a maioria dos trabalhadores municipais, a proposta foi apresentar um estudo de cerca de possíveis 12% de reajuste.

De acordo com o sindicato, a proposta inicial feita pela prefeitura e o que está previsto em lei, tem diferenças gritantes.

Segundo o sindicato, até o momento, a defasagem é de 8,84% referentes ao repasse do Fundeb e mais 5,2% de inflação para o magistério. Os mesmos 5,2% para o quadro geral. Para este ano, os índices são de 33,03% para o magistério e o 10,06% para o quadro geral.

“Infelizmente desde o dia 18 aguardamos a proposta de uma negociação que se arrasta há meses. A categoria cansou, e a greve começa a partir das 13h desta quinta-feira (10) foi a decisão da maioria “, finaliza Luciana Sobota- Presidente do Sisemcam.

Publicidade