SIME BC – A tecnologia ao desserviço da população.

Já estive desempregado, sem dinheiro para uma fotocópia do currículo e nem mesmo para o passe do ônibus. Sei também o que é cruzar a cidade a pé para ir até o SINE, chegar lá e não ter nada que encaixasse na minha experiência.
Sei o que é, literalmente, gastar uma sola de sapato procurando emprego em uma cidade como Curitiba, em 2003, quando a internet não era tão acessível.
Nada fácil.

Hoje em dia todo mundo tem um celular, um computador, uma internet 3G ou o wifi do vizinho. A tecnologia está cada dia mais presente na vida de todo mundo. Mas me parece que os departamentos públicos não se atentaram a isso.
O SIME (Sistema Municipal de Emprego) da Prefeitura de Balneário Camboriú, é um deles.
O atendimento no balcão é uma loucura, dezenas de pessoas todos os dias procurando vagas, cadastrando currículos, querendo informações e solicitando encaminhamentos. Em 2015 foram 15mil atendimentos, aproximadamente 60 pessoas por dia. Com um atendimento das 13 às 18hs.

Na internet, o que temos é uma página no Facebook que não recebe atualizações importantes à meses, ninguém responde os comentários, não tem site, sem um cadastro online, NADA.
Tudo que tem na internet, é uma planilha no Google Docs que, além de ter um acesso complicado para pessoas com pouco conhecimento em informática ou que acessam pelo celular, é uma bagunça.
Não se sabe o que é o que, não tem atualização frequente e as datas são antigas mesmo com vagas atuais. Solicitar que seja enviado um boletim semanal com as vagas para divulgar no Portal Visse?, tornou-se uma missão impossível.
Tudo é feito no balcão. Ou seja, preferem complicar para o desempregado do que inovar e usar a tecnologia á favor do povo.

Em Itajaí, a situação não é diferente.
O site da Prefeitura de Itajaí divulga, as vezes, as vagas do balcão de empregos. Não tem rede social e nem site. Tem que caçar informações.
Mas, pelo menos, o pouco que fazem já é válido.
Pois o candidato pode saber com antecedência se existe vagas que fecham com seu currículo e assim, vai direto ao balcão certo da vaga pretendida.

Não basta criticar, tem que sugerir melhoras.
Como só apontar erros não resolve nada, pois todo mundo já sabe dessas falhas, temos que sugerir melhoras com ideias correto?
Então eu, em meu limitado conhecimento, vou dar minha opinião como profissional na área de Webdesigner e Mídias Sociais.

Site
As prefeituras, geralmente, tem um servidor próprio. O que torna mais fácil a integração e compartilhamento da base de dados.
Para quem tem mais “afinidade” com computador e internet, seria uma mão na roda.
Uma página, simples, exibindo as vagas disponíveis para o dia/semana, as informações adicionais de cada vaga e o código interno.
Assim o candidato pode entrar, ver, se informar e, se for do interesse, dirigir-se até o balcão para encaminhamento.
Neste site, todas as informações sobre documentos necessários, normas da repartição, bem como um formulário para cadastramento de currículo pela internet.
Esse cadastro já integrado a base de dados do departamento. Para a confirmação do cadastro, o trabalhador leva os documentos com o número do protocolo gerado no cadastro.
É simples. Garanto. E torna a gestão do órgão muito mais ágil, visto a diminuição de atendimentos, no balcão, unicamente para esse fim.

Redes Sociais
Um boletim diário. É simples. Copia e Cola. Se tiver uma arte visual, melhor ainda.
Facilita, as pessoas ficam sabendo da vaga e para mais informações são encaminhadas com um link para o site.
Em departamento com mais de 40 servidores, difícil não ter alguém para fazer isso, correto?

Mailing (Mala Direta)
O mesmo boletim diário, pode ser enviado por email para todos os veículos de comunicação cadastrados em uma base de dados.
Assim todos terão acesso as informações, divulgarão em seus veículos e informarão os trabalhadores.
Poucos cliques para facilitar o acesso da imprensa a essas informações.

Tem muito mais que poderia incluir numa boa gestão do sistema de empregos e inclusão social num todo.
Promoção e divulgação de treinamentos, cursos, workshops, ações para participatividade de empregadores em CONFIAR no sistema de empregos da prefeitura, entre outros.
Em Balneário, cobrar uma atuação maior do SEBRAE junto ao SIME, seria perfeito. Afinal, em Balneário Camboriú, temos um servidor com a titularidade de “Coordenador do Balcão Sebrae” e, de acordo com as notícias no site da prefeitura, pouco faz o SEBRAE em nossa cidade.
As ideias são muitas. Falta capacitação e boa vontade.

Creio que não seja utopia da minha parte pensar e ter essas ideias.
Dentro do meu conhecimento, vejo como algo simples, fácil e prático de fazer.
Isso é humanizar.
Isso é facilitar a vida do cidadão.

Fica minha contribuição.

Gian Del Sent
[email protected]

Comente Abaixo