BC: Tomógrafo comprado há quase 9 meses ainda não está funcionando

Imagem ilustrativa

Já se passaram 9 meses desde a homologação da compra do novo tomógrafo do Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, e até agora nada do equipamento funcionar. O investimento foi de R$ 1.134.000,00, já pagos a empresa sem nem mesmo o tomógrafo estar funcionando.

Vale lembrar que o tomógrafo é um dos principais equipamentos de apoio ao diagnóstico e tratamento do COVID-19, sem contar a demanda normal do Hospital

O tomógrafo chegou na unidade no dia 30 de junho de 2020, desde então está “sendo instalado” pela prefeitura de Balneário Camboriú. Na ocasião, até mesmo o prefeito Fabrício Oliveira fez uma postagem comemorando a chegada do equipamento que, segundo ele, já estava sendo instalado.

O antigo equipamento, comprado no início da gestão de Edson Piriquito, apresentava problemas com frequência e era alvo de reclamações constantes por parte da comunidade.

HISTÓRIA 

JUNHO/2020 – Com um longo histórico de problemas, o antigo tomógrafo está parado desde o início de junho de 2020 e em abril ele já tinha parado outra vez. Na época a prefeitura já tinha comprado um novo e aguardava a chegada. Em uma matéria publicada no Diarinho, a prefeitura afirmou que o novo estava chegando e que os pacientes estavam realizando os exames em uma clínica particular, do outro lado da cidade.

Nota emitida pela prefeitura na época

“A direção do HMRC já adquiriu um novo tomógrafo, de última geração. A equipe de técnicos da empresa fornecedora (Canon) pediu adequações estruturais na sala onde ficava o tomógrafo anterior. As adequações já estão sendo feitas, após isso, a instalação é realizada. Além disso, foi locado um outro tomógrafo para ficar de backup e agilizar os atendimentos. Esse também já está chegando. Vale DESTACAR, que enquanto esses investimentos estão sendo feitos, nenhum paciente ficou sem a tomografia já que o município fez convênio com clínica particular para executar esse exame.”

SETEMBRO/2020 – Dois meses após a chegada do equipamento, ele ainda estava “em instalação”. A matéria do Portal Visse na época alertava sobre o tempo que passou e o equipamento não funcionava. Em nota, a prefeitura informou que um equipamento havia sido alugado para atender os pacientes do COVID e do Ruth Cardoso.

A assessoria ainda afirmou, em resposta a reportagem, que o equipamento não seria pago enquanto não estivesse em pleno funcionamento. E isso não aconteceu. O equipamento foi pago a empresa no dia 16 de outubro de 2020, sem ao menos estar funcionando.

Nota emitida pela prefeitura na época

“O tomógrafo que foi alugado pela prefeitura está alocado no PS do Ruth Cardoso e atendendo normalmente com uma média de 26 exames dia. Já o equipamento que foi comprado, ainda está sendo instalado e estão neste momento trabalhando na concretagem do chão. A previsão é que em no máximo 20 dias o novo tomógrafo já esteja funcionando.
Vale lembrar que mesmo quando o equipamento alugado ainda não estava em funcionamento, nenhum paciente ficou sem o exame, pois a prefeitura firmou um convênio com uma clínica para a realização dos exames de tomografia.”   

JANEIRO/2021 – Quase 9 meses após a compra, o tomógrafo segue sem funcionar no Pronto Socorro do Ruth Cardoso. Questionada pela reportagem no dia 20 de janeiro sobre a atual situação do tomógrafo, a assessoria não retornou com informações atualizadas.

Mas, após o questionamento de um contribuinte, a informação foi publicada pela assessoria de imprensa da prefeitura em um grupo de Whatsapp, na noite deste domingo, 31 de janeiro.

“A sala já está toda readequada, o painel elétrico e equipamento já foi instalado, só falta realizar o startup do nobreak que tem que ser feito pelo engenheiro da empresa (canon) para não perdemos a garantia. Está agendado para terça-feira. Nesta semana ainda já deve estar disponível. Lembrando que já há um equipamento em funcionamento, este é o segundo.”

O aparelho em funcionamento, citado no texto, é o equipamento alugado para suprir a demanda enquanto o novo estava sendo instalado.

PREJUÍZO

Embora, segundo a assessoria, nenhum paciente ficou sem o exame de imagem, os cofres públicos continuam amargando um prejuízo pelo fato do equipamento não estar em funcionamento.

A começar pela contratação extra de exames de imagem em clínica particular, ainda no início de 2020. O Portal da Transparência da prefeitura não é muito claro sobre o quanto foi gasto somente para esta situação, mas acredita-se, em analise preliminar, que o valor passe de R$ 200.000,00.

O aluguel de um tomógrafo para suprir essa necessidade, foi contratado ao valor de R$ 474.000,00 por ano, em parcelas de R$ 39.500,00 ao mês.

Desde a contratação, o aluguel do tomógrafo já custou ao contribuinte o valor de R$ 197.000,00. Enquanto isso, o novo tomógrafo continua sem funcionar e o dinheiro público continua indo para o ralo, sem necessidade.