Vereador quer suspensão do rotativo até prefeitura resolver o transporte público

O vereador Marcelo Achutti (MDB) protocolou nesta terça-feira (15), uma indicação ao executivo para que seja suspensa a cobrança do estacionamento rotativo até que seja resolvido o problema do transporte público na cidade.

A indicação do vereador é válida, afinal, na falta de sistemas de transporte público, o trabalhador ou empresário é obrigado a usar meio próprio de locomoção. Como maior parte das empresas e comércios ficam no centro da cidade, os trabalhadores acabam tendo que pagar o estacionamento rotativo, onerando ainda mais a vida do contribuinte.

“Nossa população está sofrendo com a falta de transporte urbano desde maio de 2020, ou seja, mais de 380 dias, sendo obrigados a utilizarem de veículos próprios para locomoção aos seus trabalhos e, como a maioria trabalha no centro, utilizam-se das vagas do estacionamento rotativo, assumindo assim um custo que acaba sendo inviável aos seus orçamentos.” publicou o vereador em suas redes sociais.

Fazendo uma conta simples, trabalhando 8 horas por dia, o motorista gasta 16 reais de estacionamento por dia. Se tiver moto, a oferta de vagas é escassa e estacionar em local não regulamentado também gera multa. Se for de bicicleta, além da oferta de bicicletários ser baixa, tem a questão dos roubos que ocorrem frequentemente.

Além disso, uma simples parada de 20 minutos, sem usar o cartão do rotativo, pode gerar uma multa de R$ 195,23 e 5 pontos na carteira. Afinal, a regulamentação do estacionamento rotativo em Balneário Camboriú é falha. Ela não educa, apenas penaliza. O estacionamento rotativo na cidade não prevê advertência e não tem uma penalização específica, tornando-a dependente do CTB que vê a infração como grave.

O rotativo, que deveria ter como intuito a oferta de vagas na cidade, acabou virando uma simples medida arrecadatória para os cofres públicos.